CÂNCER DE TIREÓIDE

CÂNCER DE TIREÓIDE

O que é?

A tireóide é uma glândula situada na parte anterior do pescoço em frente a traquéia. É responsável por produzir os hormônios T3 , T4 (também chamado tiroxina ou hormônio tireóideo) e a calcitonina. Esses hormônios são responsáveis por uma série de ações fisiológicas do organismo, como controlar o metabolismo, a temperatura do corpo, o sistema cardiovascular, o crescimento e o desenvolvimento dos ossos, dentre outras.

O câncer da tireóide se inicia quando células da tireóide se modificam e sofrem um crescimento e proliferação descontrolado, formando um tumor. Existem dois grandes grupos de tumores da tireóide: os benignos (não cancerosos) e malignos (cancerosos). Os tumores de tireóide podem também ser chamados de nódulos, e 90% dos nódulos de tireóide são benignos.ou deles

Os tipos mais comuns de câncer de tireóide são o papilar e o folicular, que frequentemente são curáveis. Outros tipos menos comuns incluem o tipo medular e o anaplásico.

Quais os fatores de risco para o câncer de tireóide?

Os estudos têm demonstrado que os principais fatores de risco para desenvolver câncer de tireóide são os seguintes:

  • Radiação: pessoas expostas a altos níveis de radiação têm maior probabilidade de desenvolver câncer de tireóide papilar ou folicular.
  • História pessoal: pessoas com bócio e nódulos benignos de tireóide têm maior risco de desenvolver câncer de tireóide.
  • História familiar de câncer de tireóide: o carcinoma medular de tireóide muitas vezes é familiar.
  • História familiar de bócio: algumas pessoas com bócio ou história familiar de bócio com múltiplos nódulos benignos de tireóide têm maior risco para desenvolver carcinoma papilar de tireóide.
  • Gênero: mulheres têm 3 vezes mais chance de desenvolver câncer de tireóide do que homens.
  • Idade: a grande maioria dos cânceres de tireóide se desenvolve após os 45 anos de idade.

Ter um ou mais fatores de risco não significa que a pessoa vai ter um câncer de tireóide. A maioria das pessoas que tem fatores de risco nunca desenvolverá um câncer.

Quais são os sintomas?

Os sintomas do câncer de tireóide aparecem com o crescimento do tumor e são os seguintes:

  • aumento do volume da parte anterior do pescoço;
  • gânglios aumentados no pescoço;
  • mudanças na voz
  • problemas para engolir ou respirar;
  • dor na garganta ou no pescoço que não passam.

Apesar de estes serem os sintomas mais comuns em quem tem este câncer, frequentemente estes sintomas não são devidos ao câncer. Vários problemas de saúde benignos podem causar estes sintomas.

Como se faz o diagnóstico?

O diagnóstico se faz com a ajuda das seguintes abordagens médicas:

  • história e exame físico realizado por um médico;
  • exames laboratoriais;
  • ultrasonografia (ecografia) da região do pescoço;
  • biópsia dos nódulos suspeitos.

O que é e para que serve o estadiamento?

O estadiamento é a forma de descrever o câncer quanto ao seu tamanho, localização, se o câncer se espalhou para outra região, para onde se espalhou e se está afetando outras funções do organismo. O câncer de tireóide tem estágios de I a IV.

Tratamento

O câncer de tireóide possui várias opções de tratamento em que a escolha depende do tipo de câncer (papilar, folicular, medular ou anaplásico), do tamanho do nódulo, da idade do paciente, se o câncer está restrito à tireóide ou já se espalhou para outro órgão e do estado geral de saúde do paciente.

As opções de tratamento são as seguintes:

  • cirurgia;
  • terapia com iodo radioativo;
  • radioterapia;
  • quimioterapia.

A cirurgia é o principal tratamento para o câncer de tireóide e a quantidade da glândula a ser removida depende do tamanho e do tipo do tumor assim como da idade do paciente. As pessoas tratadas com cirurgia normalmente necessitam de tratamento hormonal para repor o hormônio da tireóide e diminuir o crescimento de qualquer célula cancerosa remanescente.

A terapia com iodo radioativo pode ser usada para eliminar um câncer não removido pela cirurgia e toda célula cancerosa que tenha se espalhado para fora da tireóide.

A radioterapia pode ser usada quando um tumor avançado não responde à terapia com iodo radioativo e comumente é aplicada após a cirurgia.

A quimioterapia é usada mais raramente e em pacientes em que as outras opções não foram suficientes para controlar a doença.

Qual é o prognóstico?

A maioria dos pacientes com câncer de tireóide papilar não morrem da doença. O câncer folicular ocorre tipicamente em pacientes mais velhos e é mais comum apresentar um curso clínico mais agressivo, metástases à distância e maior mortalidade que o tipo papilar.

Uma série de fatores estão associados com um maior risco do tumor reaparecer e com a mortalidade decorrente do câncer. Os fatores mais importantes são: idade no momento do diagnóstico; tamanho do tumor primário; invasão de tecidos em volta da glândula e metástases à distância. Por outro lado, mulheres podem ter um prognóstico melhor que homens.

A maioria dos reaparecimentos (recorrência) dos cânceres de tireóide diferenciados ocorre dentro dos primeiros cinco anos após o início do tratamento. Porém, recorrências podem ocorrer muitos anos depois, particularmente nos de tipo papilar.





Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement


LEIA TAMBÉM

Nódulos de Tireoide  São lesões arredondadas (ovóides) que se desenvolvem na glândula tireóide, situados na região anterior e inferior do pescoço. Podem ser únicos ou múltiplos.

Câncer - Prevenção  Prevenção em câncer é reduzir a possibilidade do aparecimento de qualquer tipo de câncer.

Teste do Hormônio da Tireoide - T3  É a dosagem de um dos hormônios da glândula tireóide. Sua medida, em geral, é realizada juntamente com a de outros hormônios relacionados que são o T4 e o TSH.

Teste do Hormônio da Tireoide - T4  Dosagem do principal hormônio produzido pela glândula tireóide. Sua medida, em geral, é realizada juntamente com a de outros hormônios relacionados que são o T3 e o TSH.

Cintilografia da Tireoide  É um exame utilizado na investigação de problemas da tireóide, especialmente indicado para pacientes portadores de nódulos de tireóide.

Hipotireoidismo  É um quadro clínico que ocorre pela falta dos hormônios da tireóide em decorrência de diversas doenças da tireóide.

Hipertireoidismo  Os sintomas ocorrem em decorrência do excesso de funcionamento da glândula tireóide ou da ingestão dos hormônios da tireóide.

Bócio  Corresponde a um conjunto de doenças da glândula tireóide que se caracterizam por um aumento perceptível no tamanho desta glândula. Como a tireóide se localiza na parte anterior e inferior do pescoço, é nesta região que as pessoas irão observar este aumento, que pode envolver toda a tireóide (aumento difuso, bócio difuso) ou provocar a formação de um ou mais nódulos (caroços).

Tireoidite de Hashimoto  É uma doença auto-imune na qual o próprio organismo produz anticorpos contra a glândula tireóide levando a uma inflamação crônica que pode acarretar o aumento de volume da glândula (bócio) e diminuição do seu funcionamento (hipotireoidismo).

Tumor de Paratireóide  Tumores benignos (comuns) ou malignos (extremamente raros) associados ao aumento de funcionamento das glândulas paratireóides.







Autor

Título: Câncer de Tireoide

Link : | Data de Publicação : 29/12/2011 - Revisão : 29/12/2011 - Acesso : 24/11/2014 - Código do Conteúdo : Artigo 807 | Palavras-Chave : Câncer de Tireoide - Cancerologia - CÂNCER DE TIREÓIDE , hormônios, T3 , T4 , nódulo , nódulos , história familiar , crescimento e proliferação descontrolado , papilar , folicular , carcinoma medular , Tipos, Fatores de Risco, Prevenção, Detecção Precoce e Tratamentos .





Aviso Legal

Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na internet, sem autorização mesmo que citada a fonte - (Inciso I do Artigo 29 - Lei 9.610/98). Permitido o uso para trabalhos escolares, sem autorização prévia, desde que não sejam republicados na internet. Os anúncios publicitários são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos anunciantes, não constituindo qualquer forma de indicação ou de interferência no conteúdo editorial. Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas através do site ABC DA SAUDE, o qual tem por objetivo a informação, divulgação e educação acerca de temas médicos, e cujos artigos expressam tão somente o ponto de vista dos seus respectivos autores. Tais informações não deverão, de forma alguma, ser utilizadas como substituto para o diagnóstico médico ou tratamento de qualquer doença sem antes consultar um médico.
Política Editorial : http://www.abcdasaude.com.br/sobre
© Copyright 2001-2014 - ABC da Saúde Informações Médicas Ltda. - Proibida a reprodução sem autorização - Todos os direitos reservados.


Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement


Publicidade/Advertisement


Notícias




Destaques