FATOR TUBO PERITONEAL

Alterações anatômicas das trompas de Falópio são encontradas em 20% dos casais inférteis. Doença inflamatória pélvica (DIP), apendicite aguda perfurada, aborto séptico, cirurgia tubária prévia são responsáveis pela infertilidade tubária. Várias doenças sexualmente transmissíveis podem estar indiretamente associadas à infertilidade ou presentes em casais inférteis, entretanto apenas dois organismos têm efeito direto sobre a fertilidade após infecção: a Neisseria gonorrhoeae e a Chlamydia trachomatis (WHO, 1995). Infecções causadas por estes agentes são comuns e endêmicas. Nos países industrializados, infecção genital por Chlamydia é mais freqüente do que pelo gonococo. As taxas de infertilidade, após doença infecciosa das trompas (DIP), são descritas em 12%, 23% e 54%, após 1, 2 ou três episódios, respectivamente (Westrom, 1980).

Quanto mais grave a infecção nas trompas, maior é o risco de infertilidade de causa tubária, bem como esta mulher passa a apresentar risco de gestação ectópica (gravidez fora de útero). Alguns estudos observaram que na DIP, como em outras infecções, a gravidade e as seqüelas correlacionam-se com o tempo sem tratamento. Pacientes que procuram tratamento 3 dias após iniciados os sintomas têm quase três vezes mais risco de terem sua fertilidade comprometida quando comparadas àquelas que iniciam tratamento imediatamente.

Causas de alterações tuboperitoniais, na ausência de história clínica ou de evidências da presença de doenças sexualmente transmissímiveis, são menos freqüentes e estão geralmente associadas à intervenções cirúrgicas prévias (ginecológicas ou não), a processos infecciosos e inflamatórios intraperitoniais originários do trato gastrointestinal (apendicite com infecção generalizada do abdômen por exemplo), endometriose com alteração anatômica da trompa (obstrução ou alteração importante das relações entre os órgãos pélvicos).

Diagnóstico

A histerossalpíngografia (HSG) é o exame mais simples para investigar patologia uterina e tubária. HSG é realizada no início do ciclo, após o término da menstruação (7° ao 10°dia do ciclo) (figura 1). A paciente é posicionada como para um exame ginecológico normal. Coloca- se o espéculo (aparelho que permite a exposição do colo do útero), se realiza antissepsia da vagina e coloca-se um fino cateter no colo do útero. Através deste cateter o contraste (substância que aparece na radiografia) é injetado dentro da cavidade uterina, e registros sucessivos por radiografia são realizados. A medida que o contraste é injetado, lentamente, através do colo uterino, as imagens produzidas vão sendo monitorizadas e registradas.

Algumas doenças do útero podem ser identificadas pela HSG: lesões anatômicas do colo uterino, pólipos, miomas submucosos e intramurais, malformações da cavidade e alterações da superfície endometrial. A HSG é utilizada, principalmente, para localizar obstruções tubárias, medir o diâmetro tubário e o comprimento do segmento proximal. Importante limitação da HSG é a impossibilidade de diagnosticar endometriose e aderências tubárias e ovarianas.

Como para a realização da HSG é necessário a injeção de contraste iodado, é importante saber, antes do procedimento, se a paciente não é alérgica. Atualmente, a disseminação de processo infeccioso, causando dor e doença inflamatória pélvica, sangramentos e reação alérgica ao contraste, são as complicações que podem ocorrer, embora raras.

Fig. 4: A) Histerossalpingografia normal, o útero e as tromas são opacificadas e não estão obstruídasB) Esquema representativo deste exame


A laparoscopia é o exame mais invasivo na investigação do casal infértil. É realizada com anestesia geral e possibilita a visão direta da pelve. Observam-se todos os órgãos pélvicos, sua mobilidade e localização. A permeabilidade tubária é avaliada mediante injeção de corante (geralmente azul de metileno) pelo colo uterino que está canulado, verifica-se a progressão e dispersão do contraste por visão direta da trompa e da cavidade abdominal (cromotubagem).

Entre as vantagens da laparoscopia sobre a HSG estão a maior especificidade e sensibilidade para o diagnóstico das condições extraluminais da trompa, da presença de aderências peritubárias (ao redor das trompas) e de outras patologias como a endometriose. Além destas, existe a possibilidade de realizar tratamentos para algumas anormalidades encontradas (cauterização de focos de endometriose, por exemplo). A maior limitação da laparoscopia é a impossibilidade de avaliar o lúmen das trompas.

Tratamento cirúrgico X técnicas de reprodução assistida

Quando os parâmetros do sêmen são normais, a concepção natural poderá acontecer. Nesta situação, é obrigatória a avaliação das condições tubárias e da anatomia pélvica, sendo a laparoscopia diagnóstica o método de escolha para a avaliação. A cauterização de focos de endometriose, lise de aderências, correções de problemas em trompas são procedimentos cirúrgicos realizados já no momento do diagnóstico. Visto os resultados de liberação de aderências e de outras cirurgias sobre a porção distal das trompas serem satisfatórios, estas intervenções podem ser realizadas antes da utilização das técnicas de reprodução assistida (dependendo da idade da mulher).

Naqueles casais em que os parâmetros do sêmen estão muito alterados, e a concepção natural é pouco provável, a avaliação das trompas também pode ser realizada. Observou-se que trompas comprometidas, principalmente com hidrossalpinge (trompas alargadas e com líquido no seu interior), alteram negativamente as taxas de gestação após fertilização in vitro. É assunto de discussão entre os especialistas em reprodução humana se as trompas com hidrossalpinge devem ser retiradas antes de tentativas de fertilização in vitro.





Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement


LEIA TAMBÉM

Infertilidade  O casal infértil é aquele que, com mais de um ano de relações sexuais desprotegidas (sem uso de método anticoncepcional) e freqüentes, não conseguiu engravidar.

Infertilidade - Introdução  Define-se, habitualmente, um casal infértil como aquele que não obtém gestação após manter relações sexuais, regularmente, pelo período de um ano, sem o emprego de qualquer método de anticoncepção.

Infertilidade: Tratamento  Os casais devem ser esclarecidos quanto as opções e as chances de sucesso de cada tipo de tratamento para que participem ativamente das decisões.

Infertilidade: Perguntas Mais Frequentes  Apesar dos testes e dos conhecimentos atuais, cerca de 10% dos casais que têm sido investigados intensamente não têm causa demonstrável de infertilidade.

Investigação de Infertilidade  Infertilidade é um problema que afeta o casal; portanto, a investigação deve ser realizada concomitantemente no homem e na mulher.

Fator Masculino de Infertilidade Conjugal  Fatores que alteram a fertilidade masculina

Fertilidade & Infertilidade - Anatomia  Os princípios básicos de uma reprodução bem sucedida estão no desenvolvimento dos gametas (óvulos e espermatozóides), na capacidade deles se encontrarem, permitindo assim, que ocorra a fertilização.

Fertilização In Vitro  A fertilização in vitro, muitas vezes denominada "Bebê de Proveta", deve-se ao fato da fecundação do óvulo pelo espermatozóide ocorrer fora do corpo, em laboratório, ou seja, in vitro.

Varicocele  A varicocele está presente em 15% da população geral (adultos e adolescentes) e em 35% dos homens com infertilidade.

Sexualidade do Casal Infértil  Chega um momento da vida de homens e mulheres que o casal deseja ter um filho. Mas o que fazer quando eles não conseguem?







Autor

Título: Fator Tubo - Peritoneal

Link : | Data de Publicação : 05/11/2007 - Revisão : 05/01/2010 - Acesso : 25/10/2014 - Código do Conteúdo : Artigo 667 | Palavras-Chave : Fator Tubo - Peritoneal - Ginecologia e Obstetrícia - Trompas de Falópio , fertilização in vitro , Doença inflamatória pélvica , DIP , apendicite aguda perfurada, aborto séptico, cirurgia tubária , histerossalpíngografia , HSG , colo uterino , pólipos , técnicas de reprodução assistida , exame ginecológico .





Aviso Legal

Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na internet, sem autorização mesmo que citada a fonte - (Inciso I do Artigo 29 - Lei 9.610/98). Permitido o uso para trabalhos escolares, sem autorização prévia, desde que não sejam republicados na internet. Os anúncios publicitários são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos anunciantes, não constituindo qualquer forma de indicação ou de interferência no conteúdo editorial. Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas através do site ABC DA SAUDE, o qual tem por objetivo a informação, divulgação e educação acerca de temas médicos, e cujos artigos expressam tão somente o ponto de vista dos seus respectivos autores. Tais informações não deverão, de forma alguma, ser utilizadas como substituto para o diagnóstico médico ou tratamento de qualquer doença sem antes consultar um médico.
Política Editorial : http://www.abcdasaude.com.br/sobre
© Copyright 2001-2014 - ABC da Saúde Informações Médicas Ltda. - Proibida a reprodução sem autorização - Todos os direitos reservados.


Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement


Publicidade/Advertisement


Notícias




Destaques