FERTILIZAÇÃO IN VITRO

O nascimento de Louise Brown em 1978 (Steptoe & Edwards, 1978), a primeira criança concebida após fertilização in vitro e transferência de embrião, marcou o início de uma era de extraordinário progresso no entendimento e tratamento dos problemas relacionados à fertilidade humana.

Originalmente a fertilização in vitro seguida de transferência de embriões (FIV-TE) foi proposta para o tratamento dos casos de infertilidade tubária, ou seja, para aquelas pacientes em que as trompas estavam ausentes ou irreparavelmente obstruídas. O aprimoramento das técnicas de FIV ampliou as suas indicações e permitiu o seu uso para o tratamento da infertilidade de outras etiologias.

A fertilização in vitro, muitas vezes denominada "Bebê de Proveta", deve-se ao fato da fecundação do óvulo pelo espermatozóide ocorrer fora do corpo, em laboratório, ou seja, in vitro. Os embriões resultantes da fertilização in vitro são transferidos para o útero aproximadamente 72 horas após a captação de óvulos.
 

Fig.01 - coleta de óvulos, inseminação in vitro, embriões, transferência para o útero materno.

 

Etapas da fertilização in vitro e transferência de embriões

Resumidamente estas são as etapas envolvidas na FIV-TE:
 

Indução da ovulação, para estimular amadurecimento de vários óvulos.
Monitorização do crescimento folicular com ecografia transvaginal.
Coleta de óvulos por ecografia transvaginal (mediante analgesia, tempo médio 5 - 15 minutos).
Coleta do sêmen e capacitação espermática, no mesmo dia da coleta dos óvulos.
Inseminação in vitro: identificação e classificação dos óvulos com posterior inseminação com o sêmen capacitado.
Transferência de embriões para o útero materno, geralmente 3 dias após a fertilização.
Suporte da fase lútea.
Diagnóstico de gestação.

Indicações para FIV

Obstrução tubária bilateral é a indicação clássica para FIV. Atualmente:
 

Infertilidade devido a fator masculino, onde se consegue recuperar aproximadamente
1 milhão de espermatozóides após o preparo.
Infertilidade sem causa aparente.
Todas as causas de infertilidade que não responderam a outros tipos de tratamento podem ser tratados pela fertilização in vitro e transferência de embriões.

Indução da ovulação

A indução da ovulação para FIV-TE tem por objetivo a coleta de óvulos maduros e em número de 6 a 12. Quando ocorre o crescimento de muitos folículos é mais comum ocorrer a síndrome de hiperestímulo severo, complicação grave, que deve ser evitada.

Citrato de Clomifene

O citrato de clomifene (CLOMIDE®, SEROFENE®) é um indutor da ovulação de uso por via oral. Sua ação anti-estrogênica faz com que aumente os níveis endógenos de FSH e LH, provocando um maior recrutamento folicular.

Nos casos de FIV-TE, onde se deseja obter um número maior de óvulos utiliza-se a droga associada a gonadotrofinas (LH e FSH). Inicia-se a indução da ovulação geralmente no segundo dia do ciclo. Quando os folículos atingem na ecografia transvaginal em torno de 18 mm eles são considerados maduros, sendo então utilizado 5 a 10.00 UI de HCG (Profasi®, Pregnil®) para maturação final e liberação do óvulo.

Trinta e quatro a 36 horas após a injeção intramuscular de HCG, programa-se a captação de óvulos sob controle ecográfico.

Gonadotrofinas

As gonadotrofinas podem ser derivadas de urina de mulheres menopausadas (Pergonal®, Humegon®, Metrodin®) e, mais recentemente, o FSH recombinante, sintetizado por engenharia genética (Puregon® e Gonal F®).

As gonadotrofinas estimulam o crescimento de múltiplos (figura) e seu uso é iniciado nos primeiros dias do ciclo. Inicialmente utilizam-se doses maiores, para maior recrutamento folicular, depois as doses podem ser diminuídas.

O crescimento folicular é acompanhado com ecografia transvaginal diária. Quando no mínimo 2 folículos atingem na ecografia transvaginal aproximadamente 18 mm eles são considerados maduros, sendo então utilizado 5 a 10.00 UI de HCG (Profasi®, Pregnil®) para maturação final e liberação do óvulo.

Trinta e quatro a 36 horas após a injeção intramuscular de HCG, programa-se a captação de óvulos sob controle ecográfico.
 

Fig.02 - Ovário com múltiplos folículos à ecografia.

Análogos do GnRH

O uso de análogos do GnRH (Lupron®), associado as gonadotrofinas, trouxe duas vantagens principais para indução da ovulação no processo FIV-TE: acentuada redução do risco de descarga prematura de LH e facilidade de manipulação do ciclo pela equipe médica.

Os agonistas do GnRH inicialmente promovem o esvaziamento do LH e FSH endógeno hipofisário (flare up) nos primeiros 3 dias. Após, com uso continuado dos agonistas, ocorre queda paulatina da secreção endógena de gonadotrofinas, que permanece em níveis baixos e com pouca atividade biológica.

Quando o agonista do GnRH é iniciado nos primeiros dias do ciclo - esquema curto - , as gonadotrofinas endógenas liberadas auxiliam na captação de óvulos (efeito flare up) ao mesmo tempo em que gonadotrofinas exógenas são administradas.

O agonista é mantido durante a maturação folicular e a monitorização ecográfica orienta o momento adequado da aplicação do HCG, coincidindo com a interrupção do agonista.

Quando o agonista do GnRH é iniciado na fase lútea do ciclo anterior - esquema longo - , ocorre esvaziamento das gonadotrofinas endógenas e após ocorre o bloqueio de sua secreção.

A menstruação ocorre normalmente pelos efeitos dos esteróides produzidos na fase folicular e lútea. Após a menstruação a paciente está em nítido hipoestrogenismo e com bloqueio da secreção de gonadotrofinas endógenas.

No esquema longo o estímulo ovariano passa a depender exclusivamente do estímulo de gonadotrofinas exógenas. O agonista é mantido durante a maturação folicular e a monitorização ecográfica orienta o momento adequado da aplicação do HCG, coincidindo com a interrupção do agonista.

INSEMINAÇÃO IN VITRO

O líquido folicular aspirado chega ao embriologista para identificação e classificação da maturidade dos óvulos. A maturidade do óvulo é determinada pela morfologia do complexo cumulus-corona em sua volta e pela presença ou ausência de vesícula germinativa e primeiro corpúsculo polar.

Os óvulos são classificados como imaturos ou em prófase, metáfase I e metáfase II ou maduros. (fotos)

Os óvulos maduros ficam algumas horas em cultura sendo então inseminados na proporção de aproximadamente 100 mil espermatozóides móveis para cada óvulo.

Quinze a 19 horas após a inseminação os óvulos são examinados ao microscópio em busca do sinal de fertilização (presença dos pró-núcleos masculino e feminino). Vinte e quatro horas após a inseminação observa-se a presença de pré-embriões, divididos em duas células. A transferência dos pré-embriões realiza-se 48 a 72 horas após a inseminação, com pré-embriões com quatro, oito ou mais células.
 

Fig.03 - Morfologia do pré-embrião humano.

 
A. 16 hs pós fertilização (zigoto)
B. Com 2 células
C. Com 4 células (48 hs)
D. Com 8 células (72 hs)
E. Fase de Blastocisto (5º dia)

Transferência de embriões

Neste procedimento, similar a um exame ginecológico de rotina, coloca-se o espéculo na vagina e com um cateter adequado coloca-se os pré-embriões na cavidade uterina. O catéter de transferência é extremamente delicado, existindo diversos modelos. A tranferência é indolor, portanto não necessita de anestesia ou analgesia. Após o procedimento a paciente fica aproximadamente 30 minutos em repouso.

Resultados da FIV - TE

Os índices de gestação com a FIV-TE são tão bons como os da natureza. Um casal fértil normal, com 20 anos, fazendo sexo regularmente, tem a cada mês em torno de 16% de chance de conceber. Com o procedimento FIV-TE, após a transferência de 3 embriões os índices de sucesso por ciclo de tratamento ficam, também, em torno de 20%-30%. Depois de quatro ciclos de tratamento o índice cumulativo de gestação chega a 50% por casal em média.

A idade da mulher é fator importante nas taxas de gestação.

ICSI (Injeção Intracitoplasmática de Espermatozóides)

Também é uma técnica de fertilização in vitro, pois a fertilização ocorre fora do corpo, in vitro. A técnica de Injeção Intracitoplasmática de Espermatozóides - ICSI, oferece um tratamento viável mesmo para os mais difíceis casos de infertilidade masculina. Utiliza-se um microscópio potente e micromanipuladores capazes de segurar um único óvulo na extremidade de uma delicada pipeta de sucção e através de outra pipeta promove-se a penetração do espermatozóide selecionado para dentro do óvulo.

Esse procedimento, embora complexo, é uma excelente alternativa para homens que antes deveriam ter no mínimo 1 milhão de espermatozóides móveis no ejaculado. A ICSI também possibilitou a fertilização de óvulos com espermatozóides que podem ser aspirados do epidídimo, técnica conhecida como MESA ou ainda diretamente dos testículos através de uma minúscula biópsia - TESA. Em conclusão, a ICSI veio solucionar a maioria dos casos de infertilidade masculina e também alguns casos de infertilidade sem causa aparente, quando a fertilização não ocorreu por metodologia mais simples.
 

 

A. À esquerda pipeta que segura o óvulo, à direita pipeta que irá injetar o espermatozóide (seta mostra espermatozóide dentro da pipeta injetora)
B. Pipeta injetora penetrando no óvulo
C. Pipeta injetora dentro do óvulo
D. Pipeta injetora sendo retirada do óvulo
E. Óvulo após a injeção






Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement


LEIA TAMBÉM

Concepção - Função Reprodutiva Normal  Para que ocorra a gravidez é necessário que a função reprodutiva seja normal tanto no homem quanto na mulher.

Infertilidade  O casal infértil é aquele que, com mais de um ano de relações sexuais desprotegidas (sem uso de método anticoncepcional) e freqüentes, não conseguiu engravidar.

Inseminação Intrauterina  É a técnica mais simples de reprodução assistida. Nessa técnica, se manipulam em laboratório apenas os espermatozóides.

Investigação de Infertilidade  Infertilidade é um problema que afeta o casal; portanto, a investigação deve ser realizada concomitantemente no homem e na mulher.

Ovários Policísticos  Pacientes com síndrome dos ovários policísticos têm, de modo característico, ciclos menstruais irregulares (amenorréia ou oligomenorréia).

Infertilidade - Introdução  Define-se, habitualmente, um casal infértil como aquele que não obtém gestação após manter relações sexuais, regularmente, pelo período de um ano, sem o emprego de qualquer método de anticoncepção.

Fator Masculino de Infertilidade Conjugal  Fatores que alteram a fertilidade masculina

Varicocele  A varicocele está presente em 15% da população geral (adultos e adolescentes) e em 35% dos homens com infertilidade.

Fertilidade & Infertilidade - Anatomia  Os princípios básicos de uma reprodução bem sucedida estão no desenvolvimento dos gametas (óvulos e espermatozóides), na capacidade deles se encontrarem, permitindo assim, que ocorra a fertilização.

Gestação Após os 35 Anos  Atualmente, grande parte dos casais optam por ter filhos após os 35 anos. Este período coincide com o declínio da fertilidade na mulher.







Autor

Título: Fertilização In Vitro

Link : | Data de Publicação : 01/11/2001 - Revisão : 05/01/2010 - Acesso : 20/12/2014 - Código do Conteúdo : Artigo 199 | Palavras-Chave : Fertilização In Vitro - Ginecologia e Obstetrícia - Infertilidade , Bebê de Proveta , Transferência de Embriões





Aviso Legal

Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na internet, sem autorização mesmo que citada a fonte - (Inciso I do Artigo 29 - Lei 9.610/98). Permitido o uso para trabalhos escolares, sem autorização prévia, desde que não sejam republicados na internet. Os anúncios publicitários são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos anunciantes, não constituindo qualquer forma de indicação ou de interferência no conteúdo editorial. Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas através do site ABC DA SAUDE, o qual tem por objetivo a informação, divulgação e educação acerca de temas médicos, e cujos artigos expressam tão somente o ponto de vista dos seus respectivos autores. Tais informações não deverão, de forma alguma, ser utilizadas como substituto para o diagnóstico médico ou tratamento de qualquer doença sem antes consultar um médico.
Política Editorial : http://www.abcdasaude.com.br/sobre
© Copyright 2001-2014 - ABC da Saúde Informações Médicas Ltda. - Proibida a reprodução sem autorização - Todos os direitos reservados.




Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement


Publicidade/Advertisement


Notícias





Destaques