RIM E DIABETE MELITO

Sinônimos:

Doença renal do diabete, nefropatia diabética

A nefropatia diabética representa, atualmente, a principal causa de insuficiência renal terminal. No nosso meio, 25% dos pacientes em hemodiálise são portadores de nefropatia diabética. Além dessa elevada prevalência, a nefropatia dos diabéticos está associada a uma alta freqüência de morte por outras causas, principalmente vasculares.

No diabete melito (DM), ocorrem muitas complicações nos órgãos alvo:
 

retinopatia nos olhos
hipertensão, infarto e anginas no coração
obstruções das artérias dos membros no sistema vascular
nefropatia no rim.

O que é?

A nefropatia diabética é a doença renal que ocorre nos pacientes diabéticos. Cerca de 35-45% dos pacientes com diabete melito insulino-dependentes e 20% dos diabéticos não insulino-dependentes desenvolvem doença renal após um período superior a 10 anos de diabete. A doença renal no diabético pode se desenvolver lenta ou rapidamente, levando o paciente à insuficiência renal crônica. O declínio funcional do rim dos diabéticos pela nefropatia é previsível e progressivo. Depois de instalada a nefropatia, a perda mensal da função renal varia de 0,5-1%. A lesão renal caracteriza-se por atingir o filtro renal (glomeruloesclerose) e com isso surge a perda renal de proteínas pela urina (proteinúria) de grau variado. Com a deterioração da filtração glomerular, surge a insuficiência renal, quase sempre acompanhada de hipertensão arterial.

Como se manifesta?

A doença renal no diabético se inicia pelo descontrole crônico da glicemia. A hiperglicemia exagerada ultrapassa a capacidade do rim de poupar glicose, permitindo perdê-la pela urina (glicosúria). O trabalho aumentado pelo excesso de glicosúria faz o rim crescer de tamanho, sendo este o primeiro sinal de alteração encontrado nos exames de imagem. Até mesmo com compensação adequada do açúcar sangüíneo, lesões mínimas vão ocorrendo no rim durante um período de 2 a 3 anos sem manifestação clínica ou laboratorial.

A fase seguinte de instalação da nefropatia diabética se dá pelo aparecimento de proteínas na urina sob a forma de microalbuminúria. Esse período de pequenas perdas de albumina na urina pode durar de 5 a 10 anos. Com o avançar do tempo, a proteinúria aumenta muito e surgem sinais de insuficiência renal com elevação da uréia e creatinina no sangue. Assim, a doença renal crônica já instalada avança irreversivelmente até a insuficiência renal final.

Em resumo, os pacientes hiperglicêmicos apresentam-se com grande volume urinário (poliúria) e hiperglicosúria. Esta situação aumenta muito o trabalho do rim e acarreta, como conseqüência, um aumento do tamanho renal. Por isso, nos diabéticos eles são grandes. Nas revisões laboratoriais de rotina dos diabéticos, procura-se sempre a perda de proteínas. Quando surge a microalbuminúria, iniciam-se, também, as lesões de esclerose do glomérulo que, com o tempo, tornam-se difusas e aumentam a perda de albumina na urina.

Como se diagnostica?

Os diabéticos podem ser insulino-dependentes ou não insulino-dependentes. Ambos os tipos de diabéticos devem realizar exames de urina freqüentes para detectar a microalbuminúria, que é o indicativo precoce de nefropatia diabética. Assim, a perda de proteínas na urina é fundamental para diagnosticar a doença renal do diabético. A presença de uréia ou creatinina elevadas só ocorre quando o rim já perdeu mais de 50% de sua capacidade funcional. À medida que cai a função renal, podem surgir hipertensão arterial , edema, hematúria e infecção urinária.

Como se trata?

O manejo adequado da nefropatia diabética depende do estágio em que ela se encontra. O médico avalia cada caso e determina o tratamento necessário que inclui sempre:
 

controle rigoroso do açúcar no sangue com o uso de insulina ou drogas específicas;
manutenção da pressão arterial o mais normal possível;
nutrição dietética adequada principalmente dos açúcares, proteínas e sódio (sal) e
uso de inibidores da enzima conversora de angiotensina para manter níveis de pressão arterial normais.

O objetivo do tratamento da nefropatia diabética constitui-se na prevenção ou redução da velocidade de progressão para insuficiência renal crônica que, depois de instalada, só tem duas opções de tratamento:
 

diálise
transplante renal.

Os critérios para início da diálise são:
 

níveis de creatinina superiores a 6mg%,
uréia acima de 150 mg%,
náuseas e vômitos,
prurido,
hálito urinoso e grande diminuição da diurese,
fraqueza e anemia intensa.

Dessa forma, evita-se que o paciente atinja graus avançados de uremia com pericardite e encefalopatia urêmicas.

Como se previne?

O início da doença renal do diabético depende muito do controle da glicemia. Geralmente decorrem anos para a instalação da doença, mas ela é mais célere se alguns cuidados não forem tomados, tais como:
 

controle eficiente e permanente da glicose sangüínea,
manutenção de níveis tensionais próximos do normal, com o uso de bloqueadores da enzima de conversão da angiotensina I,
dietas sem exagero protéico.

A patogênese da nefropatia diabética é complexa, envolvendo inúmeros fatores que interagem com distúrbios metabólicos e fatores genéticos. Muitas alterações celulares e bioquímicas estão envolvidas nesta doença. Até, hoje alguns elementos da patogenia continuam sendo discutidos.

Perguntas que você pode fazer ao seu médico

Meu rim sofre/é afetado porque sou diabético?

Como posso descobrir se meu rim está sendo lesionado?

Pessoas diabéticas podem fazer transplante?

Além do meu rim, outros órgãos podem ser atingidos?





Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement


LEIA TAMBÉM

Hemodiálise  Os pacientes que, por qualquer motivo, perderam a função renal e irreparavelmente atingiram a fase terminal da doença renal têm, hoje, três métodos de tratamento, que substituem as funções do rim: a diálise peritoneal, a hemodiálise e o transplante renal.

Insuficiência Renal  É um diagnóstico que expressa uma perda maior ou menor da função renal. Qualquer desvio funcional, de qualquer uma das funções renais, caracteriza um estado de insuficiência renal.

Diabetes  Doença provocada pela deficiência de produção e/ou de ação da insulina, que leva a sintomas agudos e a complicações crônicas características.

Transplante Renal  O transplante é a substituição dos rins doentes por um rim saudável de um doador. É o método mais efetivo e de menor custo para a reabilitação de um paciente com insuficiência renal crônica terminal.

Nefrite  É o resultado de um processo inflamatório difuso dos glomérulos renais tendo por base um fenômeno imunológico. É responsável por 50% das doenças renais.

Insuficiência Renal Crônica  É o resultado das lesões renais irreversíveis e progressivas provocadas por doenças que tornam o rim incapaz de realizar as suas funções

Cólica Renal  É uma dor aguda, intensa, oscilante (vai e vem) proveniente do aparelho urinário superior (rim). É uma das dores mais atrozes da medicina e geralmente causada por pedras (cálculos) no rim ou no ureter. A pedra causa obstrução da urina que vem do rim, dilatando-o.

Câncer de Rim  É o tumor maligno mais comum de rim do adulto. É mais freqüente entre 50 e 70 anos. Os homens são afetados duas vezes mais do que as mulheres

Introdução às Doenças Renais  A urina é formada pela eliminação da água desnecessária, dos sais e outros produtos que não devem ser acumulados no nosso sangue.

Pedra nos Rins  Hoje, constata-se que mudanças nos regimes alimentares, promovidas pela industrialização dos alimentos, mais ricos em proteínas, sal e hidratos de carbono, aumentaram a formação de cálculos.







Autor

Título: Rim e Diabete Melito

Link :
Data de Publicação : 01/11/2001 - Revisão : 05/01/2010 - Acesso : 22/09/2014 - Código do Conteúdo : Artigo 367
Palavras-Chave : Rim e Diabete Melito - Nefrologia - Diabete e Rim , Nefropatia Diabética , Doença Renal no Diabete , Rim do Diabético





Aviso Legal

Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na internet, sem autorização mesmo que citada a fonte - (Inciso I do Artigo 29 - Lei 9.610/98). Permitido o uso para trabalhos escolares, sem autorização prévia, desde que não sejam republicados na internet. Os anúncios publicitários são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos anunciantes, não constituindo qualquer forma de indicação ou de interferência no conteúdo editorial. Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas através do site ABC DA SAUDE, o qual tem por objetivo a informação, divulgação e educação acerca de temas médicos, e cujos artigos expressam tão somente o ponto de vista dos seus respectivos autores. Tais informações não deverão, de forma alguma, ser utilizadas como substituto para o diagnóstico médico ou tratamento de qualquer doença sem antes consultar um médico.
Política Editorial : http://www.abcdasaude.com.br/sobre
© Copyright 2001-2014 - ABC da Saúde Informações Médicas Ltda. - Proibida a reprodução sem autorização - Todos os direitos reservados.


Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement


Publicidade/Advertisement


Notícias




Destaques