PACIENTES ONCOLÓGICOS NA ODONTOLOGIA

ALTERAÇÕES BUCAIS EM PACIENTES SUBMETIDOS À RADIOTERAPIA DE CABEÇA E PESCOÇO E/OU QUIMIOTERAPIA

Complicações bucais mais freqüentes da radioterapia de cabeça e pescoço, as quais dependem da dose, do tempo e do campo exposto à radiação:

1 – Boca seca ou secura da boca (xerostomia), causada por diminuição da quantidade de saliva, desenvolvida em pacientes que são submetidos à radioterapia na região cabeça/pescoço onde as glândulas salivares são afetadas pela radiação. A xerostomia causa incomodo para falar e comer. Porém, o mais grave é que a falta de saliva diminui a proteção natural da boca e ela se torna mais vulnerável a infecções em geral, além de provocar mau hálito (halitose). 2 – Cáries de radiação, causadas pela radioterapia e pela diminuição da proteção salivar.

FIG. 1 - Cáries de radiação. Perda parcial do esmalte exposição da dentina, fragilidade dentária.

3 – Inflamação dos tecidos que revestem a boca (mucosas), dando a sensação de queimação. Vermelhidão, úlceras (tipo aftas) e feridas na mucosa, que se estendem, com frequência na laringe e faringe. É chamada de mucosite.

Fig. 3 – Mucosite na língua, que pode aparecer em toda a boca e garganta (laringe e faringe).

4 – Alteração no paladar que pode estar relacionada a perdas de papilas gustativas.

5 – Necrose óssea causada por radiação (osteorradionecrose) em que o osso afetado fica com pouca irrigação sanguínea (hipovascularização), tornando-se suscetíveis a infecções e necrose.

Fig. 4 – Necrose óssea causada por radiação (osteorradionecrose )

Complicações bucais mais freqüentes da quimioterapia: Deve-se a ação direta das drogas sobre os tecidos bucais epiteliais. Ocorre que a quimioterapia tem o objetivo de destruir as células cancerosas, porém infelizmente também atacam as células normais, interferindo em sua proliferação, provocando ação indireta decorrente da modificação de outros tecidos, inclusive da medula óssea.

Pacientes em quimioterapia apresentam na boca:
 

Infecções bacterianas, como mais cáries dentárias e inflamações gengivais.
Infecções por fungos (fúngicas), como o sapinho (candidíase)
Infecções virais como o herpes que podem ocorrer na parte interna da boca e serem mais fortes e por tempo mais prolongado.
Infecção das glândulas salivares causando dor, redução na produção de saliva.
Sangramentos gengivais (Hemorragias)
Sensação de boca seca por diminuição da quantidade de saliva (Xerostomia)
Alteração de paladar
Mucosite que é a inflamação dos tecidos que revestem a boca (mucosas), dando a sensação de queimação. Vermelhidão, úlceras (tipo aftas) e feridas na mucosa que se estendem, com frequência, na laringe e faringe.

Fig. 5 – Cáries, inflação nas gengivas e “sapinho” (candidiase)

Fig. 6 - Herpes na parte interna da boca, apresentando-se forma mais forte e por tempo mais prolongado.

Fig. 7 – Herpes na parte externa da boca

Em todas essas circunstâncias, é fundamental a presença do cirurgião-dentista A preparação prévia do paciente, removendo possíveis focos infecciosos, como lesões periapicais (causadas pela necrose do nervo do dente), cáries e doenças das gengivas reduz significativamente todas estas intercorrências bucais.

A adequação da saúde bucal prévia, com restaurações dentárias, tratamento periodontal (gengiva) e controle de placa são fundamentais para o tratamento oncológico e prevenção de intercorrências.

O acompanhamento odontológico durante e posteriormente ao tratamento oncológico controla os problemas bucais, reduz a possibilidade de dor, promove a cicatrização mais rápida de lesões como a mucosite, previne as infecções, favorece a alimentação por via oral, reduz ou evita o tempo de internação hospitalar e melhora de sua qualidade de vida posterior ao tratamento.





Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement


LEIA TAMBÉM

Terminologia Pacientes Especiais na Odontologia  A terminologia “pacientes com necessidades especiais (PNE)” vem substituindo os já tão conhecidos e utilizados termos “portadores de deficiência” e excepcionais. Vem sendo evitada também a palavra portadores.

Pacientes Especiais na Odontologia  O conhecimento da odontologia, prevenindo e tratando infecções bucais, aliado às atividades multidisciplinares na área da saúde, colabora no tratamento integral e resolutivo dos pacientes transplantados.

Pacientes Com Necessidades Especiais  Na odontologia os cuidados são os mesmos para todos os pacientes sejam ou não portadores de necessidades especiais. Além de todos estes cuidados, alguns PNE necessitam outras atenções, em acordo com suas deficiências e potencialidades.

Eletromiografia na Odontologia  Em 1981 com o advento do computador pessoal iniciou-se uma nova era em relação a diagnóstico no consultório. A eletromiografia, muito empregada em pesquisas odonto-fisiológicas, começou a ser utilizada no consultório odontológico, como meio auxiliar de diagnóstico.

Laser na Odontologia  A laserterapia é bastante eficaz no tratamento da hipersensibilidade dental que está associada a uma dor aguda, súbita e de curta duração

Correção Cirúrgica da Face e Dentes  A cirurgia ortognática é o tratamento para pacientes que possuem deformidades envolvendo o esqueleto facial e os dentes.

Curiosidades da Odontologia  Os registros históricos demonstram que com o domínio do fogo e o fato do homem passar a cozinhar os alimentos, associado ao ingresso da dieta à base de amido, começaram as agressões aos dentes e suas conseqüências.

Expansão das Arcadas Dentárias  Expandir as arcadas dentárias é aumentá-las em sua largura e/ou em seu comprimento, o que aumenta o tamanho do arco dentário.

Implantes Dentais Osseointegrados  Consiste em um cilindro de titânio que se comporta como uma raiz dentária artificial. Apresenta rosca interna e externa. A externa é para aumentar a área de integração com o osso e a interna para suportar a futura prótese.

Câncer de Boca  Deve-se estar atento aos sinais identificadores de que alguma coisa não vai bem com sua boca

Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement








Autor

Título: Pacientes Oncológicos na Odontologia

Link :
Data de Publicação : 02/09/2009 - Revisão : 05/01/2010 - Acesso : 24/07/2014 - Código do Conteúdo : Artigo 711
Palavras-Chave : Pacientes Oncológicos na Odontologia - Odontologia - Boca seca , secura da boca , xerostomia , Infecções , Necrose óssea , Mucosite , laringe , faringe , Cáries de radiação , Perda parcial do esmalte exposição da dentina, fragilidade dentária .





Aviso Legal

Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na internet, sem autorização mesmo que citada a fonte - (Inciso I do Artigo 29 - Lei 9.610/98). Permitido o uso para trabalhos escolares, sem autorização prévia, desde que não sejam republicados na internet. Os anúncios publicitários são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos anunciantes, não constituindo qualquer forma de indicação ou de interferência no conteúdo editorial. Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas através do site ABC DA SAUDE, o qual tem por objetivo a informação, divulgação e educação acerca de temas médicos, e cujos artigos expressam tão somente o ponto de vista dos seus respectivos autores. Tais informações não deverão, de forma alguma, ser utilizadas como substituto para o diagnóstico médico ou tratamento de qualquer doença sem antes consultar um médico.
Política Editorial : http://www.abcdasaude.com.br/sobre
© Copyright 2001-2014 - ABC da Saúde Informações Médicas Ltda. - Proibida a reprodução sem autorização - Todos os direitos reservados.


Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement


Publicidade/Advertisement


Notícias




Destaques