A RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE

Relações Interpessoais

Estou iniciando um espaço para pensar e sentir, com você, o significado da relação médico-paciente decorrente de uma emergência, e da conseqüente internação hospitalar, por apresentar, pela gravidade, seus significados mais evidentes embora, nas devidas proporções , também possa ocorrer em outros contextos.

As implicações das relações interpessoais nesse contato podem ser passageiras, mas são sempre profundas, por haver interferências internas, das pessoas, e externas, das instituições, que afetam de um modo geral, a vida de quem adoece.

Minha intenção é que você pare e reflita, converse comigo, tenha uma consciência inédita do que essa relação pode provocar em ambos, no paciente e no médico.

Para criar um pouco de magia nessa reflexão, e aproximá-la de nossa própria vida, começo o tema com uma fábula, mesclando fantasia e realidade. Pode parecer inusitado, e de fato o é, mas quero provocar a sua imaginação, quero que você navegue por experiências cotidianas, quem sabe de você mesmo, ou de pessoas bem próximas a você.

...Júlio abre os olhos devagar, e olha o teto branco. Sente-se meio perdido, tem a sensação de não saber onde está. Fecha os olhos, como se fosse dormir novamente, e pensa, preciso me levantar, não quero me atrasar para a conferência de abertura do congresso. Devagar, querendo e não querendo, mexe o corpo e sente dor nas costas. Diz para si mesmo, preciso de um analgésico, minha coluna não se deu bem com a viagem prolongada de avião. É quando tenta mexer o braço, e não consegue, que se dá conta de tudo o que lhe acontecera. Sabe que está em uma UTI de algum hospital, e em segundos recorda-se da operação de urgência, do tumor, de tudo que parecia ter virado sua vida pelo avesso. Mas o primeiro obstáculo foi vencido, está vivo, já é um bom começo, após a tragédia.

Adormece, acorda e o tempo passa. Pensa, quero alguém perto de mim. Pergunta-se pela equipe médica, deveriam estar aqui, será que estiveram? Quero Rosa junto de mim. Não gosto de estar sozinho. Geme, está ansioso, espera que apareça alguém e alivie sua dor nas costas. Pensa na viagem, no congresso médico, recorda-se que está em Viena, faria uma conferência... Já não sabe mais se está acordado ou dormindo, parece que passa sua vida a limpo... como num filme, cenas do passado se atropelam umas as outras. Tem vontade de abrir os olhos e constatar que está sonhando. A dor nas costas é insuportável. Uma enfermeira aparece, olha os aparelhos, fala com Júlio, que parece adormecido, e que quando abre os olhos a vê saindo do quarto. Murmura para si mesmo, onde está a equipe médica! Estou sozinho, eu e a morte.

Lembra-se de quando chegou ao hospital. O carinho dos colegas em um país que não é o seu, eles fizeram de tudo para que eu fosse atendido com rapidez e eficiência. Pensa na aflição daquele dia, de ontem, parece ter essa certeza, olhei em um espelho no saguão do hospital, e vi meu olhar de tristeza, de desamparo, antevendo o que poderia me acontecer. Senti medo, estava sem saída, sem escolha, tragicamente carente, precisando de proteção.

Os dias passam, Júlio melhora aos poucos e, como doente, começa a conhecer o outro lado da relação médico-paciente, vê o que nunca vira antes. Olha a morte de frente. Acha insuficiente a presença da equipe médica no quarto.

Surpreende-se com o carinho incansável de Rosa e do filho, que haviam chegado do Brasil. Nunca imaginara o quanto eles o querem vivo, e agora percebe, nessa dedicação, a força desse amor familiar. Acha que não usufruiu totalmente a qualidade da sua vida em família, e se pergunta se haverá tempo de expressar a Rosa, e a seus filhos, a sua gratidão. Terá muito que aprender, se sair curado, ou melhor, vivo!

Júlio vai descobrindo a solidão de ser paciente. Solidão insuportável, que só desaparece com a presença da equipe médica. A brusca reviravolta na vida parece ser mais mortal que a própria ameaça de morrer, ou pior, a sensação de começar a morrer aos poucos, a cada dia.

Mas, um milagre acontece quando chega a equipe médica, tudo se transforma, as esperanças se renovam, surgem novas expectativas, e o principal, a certeza de que tudo vai dar certo. Até as dores parecem desaparecer e fica sempre o desejo de que aquele momento não termine, que os colegas não o deixem só com sua doença. A presença da equipe médica renova suas forças, motiva novas escolhas, repõe certezas onde havia dúvidas, medo, carências, que parecem matar mais que a doença. A equipe médica é como se fosse a própria vida que volta e vence o mal, aniquila a morte.

O grande fantasma é sentir-se frágil, perdido, ao perceber que sua vida mudou radicalmente. A maior dor é achar que perdeu para sempre a vida que tinha antes de adoecer...

A Gestão da Equipe de Saúde

Neste cenário é que vou aclimatar o significado da relação médico-paciente. Eu e você vamos refletir sobre a qualidade da equipe de saúde nesse atendimento.

Em primeiro lugar, é importante lembrar que nem sempre uma equipe é realmente uma equipe, ou seja, se articula em um trabalho conjunto.

Muitas vezes, há alguns procedimentos que são definidos para todos, e cada qual os integra a sua maneira. Nestes casos, a equipe é um somatório de pessoas que possuem objetivos próprios. Às vezes, há equipes em que as pessoas pouco se articulam, e cada um vive a seu modo os objetivos comuns. Estas pessoas ainda não formam uma equipe de fato, pois os interesses continuam sendo individuais. Uma equipe é a multiplicação de pessoas, entre elas há uma articulação em torno da concretização conjunta de seus objetivos comuns. Quando falo de uma equipe, me refiro a um grupo, por exemplo, o grupo familiar, o grupo de amigos, etc.

A gestão de uma equipe deve ser dinâmica e sinérgica, desenvolvendo um perfil profissional centrado em competências para um desempenho grupal, primeiro entre seus membros e, a partir daí, do grupo para fora; atua em um conjunto multiplicador de atitudes e comportamentos complementares.

Em uma equipe médica há papéis diferenciados que aumentam o nível de conhecimento sobre o potencial interno e externo, em termos de recursos humanos, de tal forma que cada profissional transfere aos pacientes essa maneira de conviver.

A equipe médica conta com a equipe de enfermagem. Ambas encontram nelas próprias alguns recursos para enfrentarem os desgastes que vivem nesse atendimento, mas, muitas vezes, necessitam de ajuda externa para poderem desempenhar o papel de estar de corpo e alma no atendimento ao paciente, ou seja, podendo sustentar, com a sua subjetividade, a fragilidade psico-social decorrente da nova condição do paciente; podendo decifrar, compreender e acolher o desamparo, em decorrência da brusca ruptura do cotidiano, pela doença, pelo medo da morte, pelo desconhecido da nova situação, pela dor física e psíquica.

A Qualidade do Atendimento

As equipes devem ter sensibilidade para compreenderem que a fragilidade do paciente enfraquece e adoece sua família, e que também acolhê-la significa um esforço adicional que muitos não querem, não agüentam, ou não sabem como fazer. Dependendo das identificações que podem surgir entre o profissional, o paciente e sua família, tornam-se freqüentes as atitudes defensivas de incompreensão, ou de mal entendidos na comunicação, que mais traumatizam do que ajudam.

Em nome da eficiência, às vezes, médicos e enfermeiros se colocam em um distanciamento pouco eficaz, aparentam dificuldade para se colocarem por inteiro. Possuem excelente capacidade para procedimentos técnicos, mas nem sempre para atitudes profissionais humanizadas, como se o atendimento da equipe médica e da enfermagem não pudesse incluir ternura e acolhimento aos sentimentos que afloram na vivência do choque provocado pela doença.

A subjetividade do profissional deve estar presente e acolher com ternura a busca desesperada de equilíbrio por parte do paciente e de sua família, quando negam a doença, buscam curas alternativas ou, ao contrário, tentam ajudar com uma certa esperança, quando a doença é sentida como uma sentença de morte que anula qualquer expectativa.

Ao entrar no quarto do paciente, médicos e enfermeiros podem se envolver com intensas emoções, e perder a capacidade de acolhimento a partir do papel profissional; assumem atitudes como se fossem da família ou, ao contrário, nada os comove, se protegem em uma assepsia que gera insegurança no paciente, e raiva na família.

A relação médico-paciente é influenciada pela qualidade da equipe de saúde e o paciente é o grande beneficiado, pois encontra nela as “vitaminas” para o seu processo de cura.





Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement


LEIA TAMBÉM

ABC da Alimentação Saudável  Uma alimentação, quando adequada e variada, previne deficiências nutricionais, e protege contra doenças infecciosas, porque é rica em nutrientes que podem melhorar as defesas do organismo

Eu Me Sinto Tão Só!  Acredito que este seja um estado muito comum em nosso tempo. A impressão que tenho é que as pessoas não foram acolhidas e educadas para o contato consigo mesmas.

Tragédia Ou Transformação na Educação: O Efeito Da Resiliência  Resiliência é um conceito da física que significa a resistência de um corpo aos choques; considera também que a fragilidade de um corpo é tanto menor quanto maior é a sua resiliência.

O Processo Grupal Com Pacientes na Hemodiálise  Pensamento e conhecimento não são fatos isolados, mas sociais - nascem na relação com o outro. Esse outro nos provoca sensações, emoções, intenções, perguntas, nos oferece respostas, hiatos, entusiasmo, desafios e assim por diante.

A Importância da Transgeracionalidade  O estudo da Transgeracionalidade ou da transmissão psíquica entre gerações, demonstra a importância do legado que é herdado dos antepassados e que constitui a riqueza dos costumes e tradições.











Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement








Autor

Título: A Relação Médico-Paciente

Link :
Data de Publicação : 04/11/2004 - Revisão : 25/06/2014 - Acesso : 21/08/2014 - Código do Conteúdo : Artigo 609
Palavras-Chave : A Relação Médico-Paciente - Psicologia - internação hospitalar, reflexão , UTI, hospital, tumor, tragédia, morte, medo, doente, doença , médico, solidão, equipe médica, milagre, frágil, carências, gestão equipe saúde , expectativas, qualidade atendimento, enfermagem, gestão sinérgica , subjetividade profissional, processo de cura, atitudes profissionais humanizadas .





Aviso Legal

Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na internet, sem autorização mesmo que citada a fonte - (Inciso I do Artigo 29 - Lei 9.610/98). Permitido o uso para trabalhos escolares, sem autorização prévia, desde que não sejam republicados na internet. Os anúncios publicitários são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos anunciantes, não constituindo qualquer forma de indicação ou de interferência no conteúdo editorial. Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas através do site ABC DA SAUDE, o qual tem por objetivo a informação, divulgação e educação acerca de temas médicos, e cujos artigos expressam tão somente o ponto de vista dos seus respectivos autores. Tais informações não deverão, de forma alguma, ser utilizadas como substituto para o diagnóstico médico ou tratamento de qualquer doença sem antes consultar um médico.
Política Editorial : http://www.abcdasaude.com.br/sobre
© Copyright 2001-2014 - ABC da Saúde Informações Médicas Ltda. - Proibida a reprodução sem autorização - Todos os direitos reservados.


Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement


Publicidade/Advertisement


Notícias




Destaques