SENTIR CIÚMES

O ciúme surgiu há muito tempo, sendo até hoje uma emoção humana extremamente comum. O homem precisava se proteger da traição para não gastar seus recursos com uma prole que não fosse a sua. Já a preocupação da mulher era em como manter o estoque de comida, e quem iria trazê-la. Assim, hoje, os evolucionistas acreditam que o que provoca ciúmes em homens e mulheres são eventos diferentes. Outros já entendem o ciúmes como uma criação capaz de proteger os laços sociais.

No século XIV, o ciúmes conotava paixão, sem nenhum sentido pejorativo. Ainda hoje, nas sociedades monogâmicas ele encontra-se, muitas vezes, ligado à proteção familiar como sinônimo de amor e cuidado, onde o desejo maior é a preservação do relacionamento visto que tal sentimento está ligado a perda do outro ou do espaço afetivo da relação. Ou seja, o ciúme é um sentimento ego centrado originado no medo de perder a pessoa amada, misturado ao sentimento de deixar de ser especial.

Na verdade, são muitas às vezes em que o ciúme deixa de ser sinônimo de prova de amor transformando-se em exemplo de insegurança e de posse. Dessa forma, longe de ser um tempero para o relacionamento, ele não tem como ser considerado um sentimento construtivo, podendo acabar com a relação, e causando sofrimento para ambos os parceiros. Mas, também ,pode ser considerado “natural” a pessoa sentir ciúme em certas situações em que se perceba ameaçada de exclusão. Num maior grau, a sensação de angústia é permanente, havendo uma constante tensão, enfraquecendo o relacionamento.

O outro, a qualquer momento, poderá estar mandando sinais de que vai abandonar a relação e essa dúvida faz com que a pessoa fique alerta todo o tempo, consumindo os três: o ciumento, o (a) parceiro (a) e a relação. Em um momento mais crítico, insegurança e desconfiança são capazes de criar uma realidade paralela que não condiz com a verdade. Apesar disso, a pessoa passa a vivenciá-la, pois a linha divisória entre imaginação e certeza é tênue. As dúvidas se transformam em pensamentos supervalorizados onde o ciumento é coagido à investigação compulsiva de suas (in) certezas. Por mais que toda e qualquer tentativa de diminuir tais sentimentos não sejam capazes de reduzir o mal estar sentido, há uma constante busca pela comprovação de suas suspeitas, o que leva a mais incertezas, pois, por mais que o (a) parceiro (a) conte a “verdade”, ela é insuficiente.

Muitas pessoas se criticam por tal comportamento e tentam, inutilmente, afastá-los, sentindo culpa e uma enorme tristeza, enquanto os que não veem sua atitude como injustificada, apresentam raiva e comportamentos violentos. É um comportamento muito parecido com o que é experimentado pelos pensamentos obsessivos: são indesejados, intrusos, considerados desagradáveis, irracionais e seguidos de atos de verificação. A pessoa muitas vezes carrega sentimentos de raiva, vergonha, humilhação, culpa, desejo de vingança, relacionado com uma baixa autoestima. Muitas vezes, podem ocorrer homicídios e atos violentos, mas fica difícil falar em estatísticas, pois, muitos não se defendem ou procuram serviços médicos.

Pode-se dizer, de forma resumida, que o que caracteriza o ciúme patológico é o anseio de um domínio total dos sentimentos, pensamentos e comportamentos do outro, desenvolvido pelo entendimento de alguma ameaça à estabilidade ou qualidade do relacionamento, visando excluir os perigos da privação do objeto amado. Assim, é uma resposta frente a um perigo percebido onde o rival pode ser real ou imaginário.

Deve-se levar em consideração a avaliação da racionalidade dessas preocupações, assim como o grau de limitação ou prejuízos causados. Avaliar também o grau de crítica do individuo em relação a essas idéias e o sofrimento que acarreta, levando em consideração seus reflexos no lazer, na vida social, afetiva e no trabalho. Os fatores precipitantes também são dignos de atenção, como é o caso de comportamentos provocativos do (a) parceiro (a), estresse, mudanças ou perdas.

Tal sentimento pode trazer sofrimento para quem o sente. Mas ciúme não é defeito, é uma emoção difícil de suportar, pois sentir-se se excluído é sempre doloroso. O outro é inimitável. Funciona mais ou menos assim: se o outro está chamando mais a atenção do que eu, ele tem algo que eu não tenho. Desta forma, perco a confiança em mim, sou inferior. Para o ciumento, nada é justo se ele não tiver tudo para si.

Vale ressaltar que tanto o ciúme quanto a inveja são manifestações naturais e dizem respeito à dificuldade que temos de aceitar nossas diferenças e que nunca teremos tudo aquilo que desejamos. A forma de contornar essa situação é entender que as pessoas têm comportamentos e atitudes diferentes conosco porque, antes de qualquer coisa, também são diferentes.

Quando a pessoa chega a terapia com tal queixa, o foco é que ela possa aprender a lidar melhor com a rejeição ,e tornar-se um indivíduo capaz de se relacionar com as pessoas e com o meio onde vive, sentindo-se aceito e aproveitando o melhor dos diferentes momentos.





Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement


LEIA TAMBÉM

Divórcio e Separações Conjugais  O divórcio, quando ocorre, ou quando sua possibilidade se torna real na vida dos casados, é uma das mais importantes crises da vida do adulto.

Reações Depressivas Normais e de Ajustamento  O limite entre o que é doença e o que é uma reação normal à vida, depende de quão intenso é o sofrimento da pessoa e de como ela reage no seu cotidiano aos fatores que a estão deixando triste.

Entendendo Melhor O Estresse (Stress)  Indivíduos das mais diferentes espécies estão sob constante ameaça, produzida por pressões do meio em que vivem.

Sexualidade Normal e Transtornos Sexuais  O comportamento sexual humano é diversificado e determinado por uma combinação de vários fatores tais como os relacionamentos do indivíduo com os outros, pelas próprias circunstâncias de vida e pela cultura na qual ele vive.

Sexo e Menopausa  A perda da capacidade reprodutiva nas mulheres é acompanhada por uma série de sintomas físicos ou emocionais.

Atração Sexual  Várias teorias surgiram tentando definir que características seriam mais importantes para chamar atenção do outro sexo.

Assexualidade  Uma pessoa que se diz assexuada pode se apaixonar por outra, amá-la e ser feliz, ainda que nunca se sinta sexualmente atraída e tenha necessidades sexuais.

Transtornos de Identidade e Gênero - Transexualismo  Para se entender o transexualismo, primeiramente é importante se compreender o que é identidade de gênero e como se forma.

Armadilhas do Desejo  O excitante é a novidade, o que vem implícita através dela. E a acomodação, o veneno para o desejo.

O Estudo Da Sexualidade Humana  A curiosidade sobre a sexualidade e os sentimentos que ela desperta sempre esteve presente ao longo da história da humanidade.

Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement








Autor

Título: Sentir Ciúmes

Link :
Data de Publicação : 23/11/2009 - Revisão : 09/06/2014 - Acesso : 31/07/2014 - Código do Conteúdo : Artigo 720
Palavras-Chave : Sentir Ciúmes - Psicologia - emoção humana , laços sociais , proteção familiar , insegurança , desconfiança , culpa , tristeza , terapia .





Aviso Legal

Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na internet, sem autorização mesmo que citada a fonte - (Inciso I do Artigo 29 - Lei 9.610/98). Permitido o uso para trabalhos escolares, sem autorização prévia, desde que não sejam republicados na internet. Os anúncios publicitários são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos anunciantes, não constituindo qualquer forma de indicação ou de interferência no conteúdo editorial. Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas através do site ABC DA SAUDE, o qual tem por objetivo a informação, divulgação e educação acerca de temas médicos, e cujos artigos expressam tão somente o ponto de vista dos seus respectivos autores. Tais informações não deverão, de forma alguma, ser utilizadas como substituto para o diagnóstico médico ou tratamento de qualquer doença sem antes consultar um médico.
Política Editorial : http://www.abcdasaude.com.br/sobre
© Copyright 2001-2014 - ABC da Saúde Informações Médicas Ltda. - Proibida a reprodução sem autorização - Todos os direitos reservados.


Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement


Publicidade/Advertisement


Notícias




Destaques