EREÇÃO

A grande maioria dos mamíferos possui um osso chamado báculo que capacita à sustentação da ereção como uma resposta mais rápida e até mesmo voluntária. Quando não, há cartilagens ou estruturas fibrosas capazes de manter a ereção com a mesma força necessária pra deixar um braço levantado, por exemplo. Mas com os homens isso não é possível.

A ereção se dá a partir de estímulos eróticos (visão, toque, cheiro e pensamentos) que capazes de produzir sinais de excitação, chegam ao cérebro pelos órgãos dos sentidos, onde determinados por questões emocionais, comportamentais e orgânicas num processo regulado pelo Sistema Nervoso Central (SNC) através de sofisticados mecanismos, orquestrado tanto pela medula como pelo cérebro, envia para o pênis mensagens capazes de liberar substâncias que vão relaxar os músculos das paredes arteriais e aumentar o fluxo sanguíneo na região peniana, promovendo a vaso dilatação.

Na verdade, existem dois mecanismos de ereção: o reflexo e o central. Quando uma imagem é vista, ela aciona os núcleos cerebrais ligados à sexualidade que enviam uma corrente elétrica para o pênis capaz de dilatar os vasos que irão permitir a entrada sanguínea, comprimindo as veias impossibilitando que o pênis relaxe. Outras ereções podem ocorrer sem que haja pensamento sexual, por exemplo, durante o sono. Aqui, o caminho passa pela medula espinhal que envia impulsos capazes de ativar o sistema reflexo do pênis.

Ou seja, a ereção acontece devido ao mecanismo de excitação liberar impulsos nervosos originados no cérebro, que na presença de hormônios como a testosterona, chegam até o pênis permitindo que as artérias se dilatem e as veias se fecham. Por conta de tal dilatação, mais sangue é capaz de entrar nos corpos cavernosos e esponjosos, aumentando o seu volume e o próprio pênis, ocorrendo assim à ereção.

Assim, é necessário um time funcionando em conjunto: adequado estímulo sexual e estado emocional, integridade das vias nervosas que transmitem o estímulo do cérebro até o pênis preservadas, assim como o funcionamento dos vasos sanguíneos penianos.

Quando em repouso, o SNC continua trabalhando através do Sistema Nervoso Simpático para controlar o fluxo sanguíneo que chega ao pênis. Dessa forma, a resposta sexual masculina mostra um equilíbrio entre forças inibitórias e excitatórias: se por um lado o sistema nervoso parassimpático trabalha como uma das vias excitatórias, o simpático inibe a ereção.

Como o estresse e a ansiedade envolvem o predomínio da atividade simpática e as ereções precisam do sistema nervoso parassimpático ativado, pode haver uma disfunção erétil psicogênica ou então ainda que haja a ereção, cognições negativas podem bloqueá-la ou haver uma ejaculação rápida.

A ereção também pode não ser mais vantajosa quando se prolonga por um tempo desnecessário, fazendo com que o sangue fique preso no pênis, o que pode gerar lesões no tecido devido à falta de oxigenação. Tal condição é conhecida como priapismo, e a ereção não é um demonstrativo de prazer, mantendo-se de forma involuntária e dolorosa.

Do outro lado há a incapacidade de conseguir a ereção. Para tal situação, desde que de origem orgânica, medicamentos foram pesquisados. O Viagra foi o primeiro e o mais conhecido. Descoberto ao acaso, durante pesquisas sobre drogas cardiovasculares, teve seguidores concorrentes no mercado como o Cialis, Levitra e Vivanza. Disponíveis em várias concentrações, normalmente necessitam de uma hora pra que ocorra a ereção.

Só que a medicação não é indutora, é necessário que haja desejo e estimulação sexual eficiente, pois nenhum nem o outro são afetados pelo uso de tal medicação. A droga provoca a vaso dilatação, mantendo e prolongando a ereção. O que não significa que prolongue o ato sexual, não sendo, assim, indicados para casos de ejaculação precoce.





Publicidade/Advertisement

LEIA TAMBÉM

Ejaculação Precoce  É um dos problemas sexuais mais freqüentes nos homens e nos casais, sendo responsável por 40% das queixas encontradas em consultório de terapeutas sexuais.

Impotência - Disfunção Erétil  A eventual ocorrência de perda de ereção não é considerada impotência.

Disfunção Erétil  Disfunção sexual masculina vulgarmente chamada de impotência afeta milhões de homens no mundo inteiro em diversas idades

Tamanho do Pênis  A preocupação com o tamanho do pênis é comum entre os homens. Essa ansiedade pode ocorrer na infância, na adolescência ou na fase adulta

Priapismo  É uma ereção persistente (mais de 4 horas), freqüentemente dolorosa, desencadeada ou não pela atividade sexual.

Doença de Peyronie  Essa doença se manifesta como uma zona endurecida no corpo cavernoso do pênis correspondendo a uma área fibrótica e por essa razão descrita pelos pacientes como se fosse um "calo" no pênis.

Uso da Camisinha  Mesmo que muitas coisas já tenham sido ditas sobre o seu uso, as pessoas ainda são resistentes a fazerem da camisinha um hábito.

Atração Sexual  Várias teorias surgiram tentando definir que características seriam mais importantes para chamar atenção do outro sexo.

Frequência Sexual  Normalmente, são as mulheres que acabam cedendo à pressão relacionada à frequência sexual.

Cuidados com o Sexo e suas Variações  Se você acha que só é possível sentir prazer com a penetração, engana-se.







Autor

Título: Ereção

Link :
Data de Publicação : 25/03/2010 - Revisão : 09/06/2014 - Acesso : 22/09/2014 - Código do Conteúdo : Artigo 741
Palavras-Chave : Ereção - Sexologia - estímulos eróticos , sinais de excitação , impulsos nervosos , estresse , ansiedade , estimulação sexual .





Aviso Legal

Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na internet, sem autorização mesmo que citada a fonte - (Inciso I do Artigo 29 - Lei 9.610/98). Permitido o uso para trabalhos escolares, sem autorização prévia, desde que não sejam republicados na internet. Os anúncios publicitários são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos anunciantes, não constituindo qualquer forma de indicação ou de interferência no conteúdo editorial. Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas através do site ABC DA SAUDE, o qual tem por objetivo a informação, divulgação e educação acerca de temas médicos, e cujos artigos expressam tão somente o ponto de vista dos seus respectivos autores. Tais informações não deverão, de forma alguma, ser utilizadas como substituto para o diagnóstico médico ou tratamento de qualquer doença sem antes consultar um médico.
Política Editorial : http://www.abcdasaude.com.br/sobre
© Copyright 2001-2014 - ABC da Saúde Informações Médicas Ltda. - Proibida a reprodução sem autorização - Todos os direitos reservados.


Notícias




Destaques