FREQUÊNCIA SEXUAL

Cada pessoa exprime de forma singular a sua sexualidade. Algumas com o desejo mais aflorado, praticando sexo com mais frequência, outras nem tanto. É natural que tenhamos ritmos diferentes, seja no trabalho, no estudo ou no lazer. Não é uma questão de saúde, mas de diferenças que, quando dentro de um relacionamento, fazem com que muitos casais vivam um descompasso sexual, e até mesmo amoroso, pelo incomodo causado por tal divergência.

Não é raro que a preocupação com a quantidade faça com que se forçe uma situação, levando ao desgaste emocional, e desestimulando os parceiros. São muitos, principalmente os homens, que se sentem orgulhosos devido ao intenso desempenho sexual. Mas é preciso que se tenha claro que sexo não deve ser usado como termômetro da relação. Não é preciso ficar de olho nas estatísticas até porque o ritmo, dentro de um mesmo relacionamento, é flutuante.

Normalmente, são as mulheres que acabam cedendo à pressão relacionada à frequência sexual. E quando percebem o que aconteceu, o próprio desejo foi abalado e o sexo deixou de ser prazeroso. Isso acontece porque a cobrança torna a relação mais frágil ao gerar um ambiente de tem que: tem que ter desejo, tem que transar, tem que se envolver. É preciso substituir o tem que pelo a fim de. Para tanto, é necessário adequar o relacionamento a frequência sexual dos dois.

O outro precisa saber o que acontece com a sexualidade do parceiro. E, para isso, o melhor caminho ainda é o bom e velho diálogo, ou seja, valorizem o ‘papo cama’, buscando a intimidade, cumplicidade e o comprometimento com a relação, respeitando os limites e evitando o clima de cobrança. Além de, claro, encontrarem novas possibilidades de fazer da relação sexual gratificante e prazeorsa.

Claro que, ao buscar pela sintonia, alguns atritos podem acontecer, pode até mesmo ser difícil entender o que o outro propõe, mas é preciso permitir que o parceiro te conheça. Saiba que, de acordo com o estado emocional ou outros problemas, a frequência sexual tende a cair, mas também, a parte sexual pode não estar satisfatória devido à alguma questão do relacionamento de vocês. Assim, é importante que os parceiros saibam acender o desejo, mostrando interesse, sendo atencioso e cuidando da aparência e da higiene pessoal.

Além disso, o encantamento pode ter diminuído e talvez estejam com dificuldade de administrar as diferenças. Por outro lado, quando for possível respeitá-las, as dificuldades em conciliar horários, por exemplo, podem servir como estímulo extra para que os encontros sejam prazerosos, aumentando a oportunidade de aproveitar com mais vontade o tempo curto que os dois têm.

É preciso não só maturidade para entender as nuances como, também, não utilizar o sexo para suprir faltas, evitando assim os excessos. Uma pessoa que não extrai o prazer de outras fontes, normalmente demanda mais do sexo buscando a descarga por meio dessas relações a fim de compensar alguma carência. Mas enquanto algumas pensam que o relacionamento se resume ao sexo, outras se desinteressam totalmente pelo assunto.

Fato é que não existem regras. Assim, ao invés de ficar procurando pelo culpado, se é o outro, você, seu relacionamento ou as estatísticas, tenha em mente que o critério de saúde sexual é pessoal e íntimo. Importa, única e exclusivamente, a satisfação do casal. Sexo bom e sadio é aquele que vem sem hora ou quantidade pré determinada.

É difícil e até inaceitável o julgamento na tentativa de delimitar a frequência da realização dos desejos ou necessidades sexuais. Respeitando-se alguns princípios e patologias, que as diferenças possam ser respeitadas dentro inclusive dos relacionamentos, onde a frequência ideal seja ditada pela qualidade da transa e não pela quantidade de vezes que ela ocorre.





Publicidade/Advertisement

LEIA TAMBÉM

Conversando com o(a) Parceiro(a)  Temos o hábito de não conversar sobre sexo. A não ser as ‘conversas de bar’ sobre sexo dos outros, sobre quem pode mais. Não se conversa com o parceiro sobre o que se sente, o que se gostam e seus limites.

Segredos Para Uma Vida Sexual Feliz - Dicas Para as Mulheres  Não espere só pelo orgasmo. Ele depende de desejos, entregas, sem egoísmo ou obrigação. O orgasmo é conseqüência de um sexo saudável.

Segredos Para Uma Vida Sexual Feliz - Dicas Para os Homens  Respeite o seu corpo. As mulheres esperam muito mais por carinho, atenção e cuidado do que um desempenho sexual incansável.

Três Dicas Básicas para uma Vida Sexual Saudável e Prazerosa  Uma das maiores causas de problemas sexuais está na desinformação e na falta de conhecimento do próprio corpo. Se não sei como reajo ao estímulo sexual, quais partes de mim são mais sensíveis ao toque, como poderei tirar maior prazer de mim mesmo e de um parceiro?

Rotina e Sexo  A relação sexual vai perdendo a qualidade do início, falta surpresa, interesse mútuo, carinho, tesão, admiração e criatividade.

Perda da Libido / Baixo Desejo Sexual  Estamos discutindo uma série de causas diferentes, mas com uma forma de apresentação clínica que pode variar apenas entre dois quadros distintos: O Desejo Sexual Hipoativo e a Aversão Sexual.

Atração Sexual  Várias teorias surgiram tentando definir que características seriam mais importantes para chamar atenção do outro sexo.

Orgasmos Múltiplos  Picos de prazer que ocorrem em seqüência, um imediatamente após o outro sem interrupção alguma.

Uso da Camisinha  Mesmo que muitas coisas já tenham sido ditas sobre o seu uso, as pessoas ainda são resistentes a fazerem da camisinha um hábito.

Masturbação  Define-se masturbação como a autogratificação sexual e esta não está associada exclusivamente ao estímulo dos genitais como a maioria das pessoas acredita.







Autor

Título: Frequência Sexual

Link : | Data de Publicação : 29/11/2010 - Revisão : 01/07/2014 - Acesso : 25/10/2014 - Código do Conteúdo : Artigo 784 | Palavras-Chave : Frequência Sexual - Sexologia - Sexualidade , sexo , desgaste emocional , relacionamento , intimidade, cumplicidade , comprometimento , quantidade , qualidade, relações sexuais, penetração , preliminares .





Aviso Legal

Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na internet, sem autorização mesmo que citada a fonte - (Inciso I do Artigo 29 - Lei 9.610/98). Permitido o uso para trabalhos escolares, sem autorização prévia, desde que não sejam republicados na internet. Os anúncios publicitários são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos anunciantes, não constituindo qualquer forma de indicação ou de interferência no conteúdo editorial. Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas através do site ABC DA SAUDE, o qual tem por objetivo a informação, divulgação e educação acerca de temas médicos, e cujos artigos expressam tão somente o ponto de vista dos seus respectivos autores. Tais informações não deverão, de forma alguma, ser utilizadas como substituto para o diagnóstico médico ou tratamento de qualquer doença sem antes consultar um médico.
Política Editorial : http://www.abcdasaude.com.br/sobre
© Copyright 2001-2014 - ABC da Saúde Informações Médicas Ltda. - Proibida a reprodução sem autorização - Todos os direitos reservados.


Publicidade/Advertisement


Notícias




Destaques