O SEXO DEPOIS DO INFARTO

A maioria das pessoas que já teve um infarto sabe que pode voltar a ter uma vida sexual satisfatória como antes de ser atingida pela doença.

O infarto não significa o fim da vida sexual. Ela tende mesmo a se tornar mais gratificante se a pessoa dedicar parte do seu tempo ao repouso e às atividades sociais e recreativas.

Nos primeiros tempos depois do infarto, a atividade sexual geralmente é proibida. Espere até a recuperação do coração. Ouça o seu médico quando chegar a esse ponto.

Mitos sobre sexo e coração

Existem diversos mitos sobre sexo e coração.

O mais corrente é o de que a atividade sexual causa o infarto. Isso não é verdade.

Não existem razões médicas para que uma pessoa recuperada do infarto não volte à sua atividade sexual anterior ao infarto. Fale com seu médico se tiver dúvidas.

O medo a respeito da performance e o medo de ter um novo infarto, junto com a depressão, são dois fatores psicológicos que reduzem o interesse e a capacidade. A depressão é freqüente depois de um infarto, ocorrendo em 85% dos casos e costuma passar depois de três meses. Contudo, ela pode perdurar ou mesmo se agravar, se já existiam problemas sexuais entre o casal antes do infarto.

Para um sexo normal devem existir duas pessoas e os dois devem participar da decisão de voltar à atividade anterior.

Muitas vezes o cônjuge não infartado foge do sexo por temer que algo possa acontecer ao parceiro durante o ato.

O casal pode se preparar para o sexo de diversas maneiras. Primeiro, deve manter e melhorar suas condições físicas e de higiene pessoal. Os deprimidos não gostam de tomar banho.

Os dois devem procurar ser mais tolerantes com as emoções do parceiro, pois são freqüentes as mudanças de temperamento depois de uma doença grave.

Reiniciando a atividade sexual

Quando voltar a praticar sexo, fale com seu médico, escute o que ele tem a lhe dizer. Caso sinta-se apto, mas seu médico ainda lhe desaconselhar, procure debater mais esse assunto com ele.Inicie as atividades quando estiver bem descansado, relaxado, livre das situações estressantes advindas dos problemas diários.
&nbsp

Espere de 2 até 3 horas após as refeições para iniciar uma atividade sexual.
Procure um lugar tranqüilo, livre de interrupções. Desligue o telefone.
Se necessário, existem medicações para melhorar a performance.
Use somente as prescritas por seu médico.
Lembre-se que alguns medicamentos para esse fim podem ser prejudiciais ao seu coração.
Não siga conselhos de amigos ou outros profissionais.
Se o esforço durante o ato sexual o deixar exageradamente cansado, procure posições mais confortáveis, deixe que o parceiro sadio faça a maior força. Se estiver muito cansado, interrompa o ato.
Volte a tentar depois de algum tempo, depois de recuperado. O orgasmo não é imprescindível. À medida que a sua performance for melhorando pelo recondicionamento físico, ao qual todo o infartado deve se submeter, o desempenho sexual tende a melhorar. A melhora da performance física aumenta a autoconfiança e estima.
Procure reiniciar as atividade sexuais com quem você está acostumado.
Essa pessoa certamente será mais tolerante com uma incapacidade passageira. Para os homens, se isso acontecer, você sabe que poderá contar com a sua discrição e boa vontade para tentar outra vez, mais adiante.

Não desista!




Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement


RECOMENDADO PARA VOCÊ

Infarto - O Ataque do Coração  Se dá quando o suprimento de sangue a uma parte do músculo cardíaco é reduzido ou cortado totalmente

Sexo e Condições Especiais  É necessário muito apoio dos familiares e, acima de tudo, tolerância. A pessoa fica desmotivada também para o sexo, podendo recuperar o desejo somente depois de superar tal crise.

Dor no Peito, Angina e Infarto  Entre as dores mais temidas, estão as chamadas dores do coração e, dentre as quais, a angina do peito e o infarto são as que motivam maiores temores por serem as mais conhecidas e consideradas como as de maior probabilidade de serem fatais.

Hipertensão Arterial (Pressão Alta)  Pressão arterial é a força com a qual o coração bombeia o sangue através dos vasos. É determinada pelo volume de sangue que sai do coração e a resistência que ele encontra para circular no corpo

Fatores de Risco Para Doenças Cardíacas  São condições que predispõem uma pessoa a maior risco de desenvolver doenças do coração e dos vasos. Existem diversos fatores de risco para doenças cardiovasculares, os quais podem ser divididos em imutáveis e mutáveis.

Aterosclerose  É o depósito no interior das artérias de substâncias gordurosas junto com colesterol, cálcio, produtos de degradação celular e fibrina (material envolvido na coagulação do sangue e formador de coágulos).

Insuficiência Cardíaca  O coração é um músculo formado por duas metades, a direita e a esquerda. Quando uma dessas cavidades falha como bomba, não sendo capaz de enviar adiante todo o sangue que recebe, falamos que há insuficiência cardíaca.

Estresse e Coração  Existem pesquisas que mostram que o estresse afeta o organismo causando alterações celulares de maneira a aumentar a incidência de doenças.

Infarto do Miocárdio e Nitroglicerina  Hoje em dia, o medicamento de escolha para tratar a angina do peito é a nitroglicerina (ou trinitrina) e seus derivados.

Coração e a Aspirina  Se pesarmos os prós e os contras quanto ao uso da aspirina ela pende a favor do seu uso. No entanto as chances de benefício variam de pessoa para pessoa, e isso você e o seu médico devem decidir.


Autor

Título: Sexo Depois do Infarto

Link : | Data de Acesso : 05/12/2016 - Código do Conteúdo : Artigo 379 | Palavras-Chave : Sexo Depois do Infarto - Cardiologia - Sexo e Ataque Cardíaco , Sexo e Infarte , Sexo para Cardiopatas , Infarto , vida sexual , Depressão , .





Aviso Legal

Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na internet, sem autorização mesmo que citada a fonte - (Inciso I do Artigo 29 - Lei 9.610/98). Permitido o uso para trabalhos escolares, sem autorização prévia, desde que não sejam republicados na internet. Os anúncios publicitários são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos anunciantes, não constituindo qualquer forma de indicação ou de interferência no conteúdo editorial. Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas através do site ABC DA SAUDE, o qual tem por objetivo a informação, divulgação e educação acerca de temas médicos, e cujos artigos expressam tão somente o ponto de vista dos seus respectivos autores. Tais informações não deverão, de forma alguma, ser utilizadas como substituto para o diagnóstico médico ou tratamento de qualquer doença sem antes consultar um médico.
Política Editorial :https://www.abcdasaude.com.br/sobre
© Copyright 2001-2016 - ABC da Saúde Informações Médicas Ltda. - Proibida a reprodução sem autorização - Todos os direitos reservados.