PROLACTINOMAS

Sinônimos e Nomes populares

Adenomas Hipofisários Produtores de Prolactina; Tumores de Hipófise Produtores de Prolactina; Hiperpituitarismo; Tumor na Cabeça; Problema na glândula da cabeça.

O que são?

São tumores benignos da glândula hipófise que provocam sintomas hormonais de modo predominante, decorrentes da elevação do hormônio Prolactina. Raramente podem provocar também sintomas neurológicos decorrentes de compressão ou invasão de estruturas adjacentes, tais como o nervo ótico e nervos localizados ao lado da hipófise (seio cavernoso).

São os tumores mais comuns da glândula hipofisária, sendo menores do que 10mm (microadenomas) na grande maioria dos pacientes (mais de 80% dos casos). Predominam no sexo feminino (também mais de 80% dos casos).

A elevação da Prolactina pode ocorrer também em decorrência de alteração do contato entre o hipotálamo e a hipófise, seja por adenomas que não produzem qualquer hormônio (adenomas não-secretores) ou por outras doenças localizadas na região da hipófise (cuja origem não é a glândula hipófise).

Essas doenças podem se apresentar como tumores não-secretantes, provocando sintomas neurológicos e hormonais. Entre esses "tumores" não funcionantes da região hipofisária, estão doenças vasculares, infiltrativas, de origem embrionária e tumores de outras origens, como os craniofaringeomas, os gliomas, os meningeomas e, muito raramente, tumores metastáticos.

Mais recentemente, com os avanços de técnicas de imagem para avaliação de doenças do sistema nervoso central e do crânio - que popularizaram os exames de tomografia computadorizada e ressonância magnética do crânio - tem sido freqüente a descoberta ocasional de "tumores da hipófise".

Esses tumores, descobertos ocasionalmente (incidentalmente), são denominados "Incidentalomas Hipofisários", cuja abordagem está descrita em item específico desse site. Entre as suas diversas causas estão os Prolactinomas, especialmente no sexo masculino, que podem não provocar grande sintomatologia clínica.

Como se desenvolve?

Os Prolactinomas, como outros adenomas hipofisários, não possuem causa bem definida, sendo provavelmente provocados por mutações isoladas de células hipofisárias normais.

Uma parcela de 3 a 5 % dos casos apresenta distribuição familiar, estando associada a mutações transmitidas hereditariamente. Esses casos podem envolver a ocorrência do mesmo adenoma na mesma família (adenomas familiares) ou estarem associados a adenomatoses endócrinas múltiplas. Nessa situação os pacientes podem exibir tumores funcionantes de paratireóide, pâncreas e supra-renais.


Publicidade/Advertisement

O que se sente?

Os sintomas associados aos Prolactinomas, no sexo feminino, são:
 

Galactorréia (surgimento de leite nas mamas fora do período puerperal)
Alterações menstruais e cessação da menstruação (amenorréia)
Diminuição de libido
Infertilidade
Sinais e sintomas de redução dos estrógenos (pele seca, diminuição da lubrificação vaginal, dor na relação sexual, cabelos com pouca vitalidade, diminuição de volume das mamas)
Acne e aumento de pelos (hirsutismo)
Osteoporose

Freqüentemente esses sinais ocorrem após o parto e um período longo de lactação (amenorréia e galactorréia pós-parto), ou durante a utilização de pílula anticoncepcional (amenorréia e galactorréia pós-pílula).

No sexo masculino os sintomas são de:
 

Impotência sexual
Redução de libido
Infertilidade
Diminuição de pêlos corporais e da freqüência de barbear
(raramente) Aumento de volume das mamas e surgimento de leite (galactorréia)

Nesses pacientes, como na maioria das vezes, os adenomas são volumosos (maiores que 10 mm = macroprolactinomas). Podem ocorrer sinais e sintomas neurológicos tais como dor de cabeça, alterações do campo e da acuidade visual e alterações de movimentação ocular.

A dor de cabeça costuma ser na região frontal e lateral, do tipo constante, sem fatores determinantes e usualmente alivia com analgésicos comuns. A perda visual ocorre na acuidade visual e principalmente na visão para as laterais (perda de campo visual lateral).

Mais raramente, em adenomas hipofisários volumosos com crescimento para os lados da hipófise, podem surgir outros sintomas visuais como a visão dupla, o desvio de posição dos olhos (estrabismo), a queda da pálpebra (paciente não consegue levantar a pálpebra superior) e o desvio de um dos olhos para baixo e para o nariz.

Esse quadro caracteriza relativa gravidade, e freqüentemente se associa com dor ao redor do olho envolvido e perda visual severa, chegando até a cegueira.

Como o médico faz o diagnóstico?

O diagnóstico pode ser estabelecido a partir dos sintomas associados com a elevação da Prolactina (Hiperprolactinemia) ou a partir das alterações neurológicas (dor de cabeça, alterações visuais). Pode ser necessária a investigação também a partir de um achado incidental de aumento de volume da hipófise (incidentaloma) em exame de imagem do crânio (tomografia ou ressonância magnética).

Nos pacientes com suspeita da moléstia, deve ser realizada inicialmente a dosagem da Prolactina no sangue, além da dosagem do T4 e do TSH. As dosagens do T4 e do TSH são necessárias para se excluir a presença do hipotireoidismo, que se caracteriza como uma causa comum de elevação da Prolactina, não decorrente de adenoma hipofisário.

Todo o paciente que apresenta suspeita de ser portador de adenoma hipofisário deverá ser avaliado através de tomografia computadorizada da região da sela túrcica (região na qual se localiza a hipófise) ou idealmente através de ressonância magnética desta região.

Detectado o adenoma e na presença de sinais e sintomas de aumento da Prolactina, deverão ser realizadas também dosagens de todos os hormônios hipofisários ou, em algumas situações, testes funcionais para análise do perfil de secreção de alguns hormônios hipofisários.

A partir dessa investigação, o característico é que se observem níveis de Prolactina maiores do que 200 mg/ml em pacientes com Prolactinomas, e que os exames de imagem (TC ou RM) demonstrem microadenomas (adenomas menores que 10 mm = microprolactinomas) ou macroadenomas (adenomas maiores que 10 mm = macroprolactinomas).

Como se trata?

Independente do volume dos adenomas, ou seja, nos micro ou nos macroprolactinomas, o tratamento é inicialmente clínico, com boa resposta em mais de 80% dos casos. Os medicamentos utilizados são a bromocriptina, o lisuride e a cabergolina, em doses progressivas até a obtenção da normalização da prolactina e redução do volume do adenoma hipofisário.

Em situações nas quais não se alcançam esses objetivos, pode ser indicada a cirurgia transesfenoidal para ressecção do adenoma. Essa cirurgia é uma microcirurgia realizada através da região nasal, utilizando microscópio, e abordando o local da hipófise por sua região inferior.

Após a correção da elevação da PRL os sinais e sintomas revertem completamente, ocorrendo inclusive a normalização da fertilidade. Nessa situação, para as pacientes que não desejam engravidar, é importante a orientação no sentido de se utilizarem métodos anticoncepcionais.

Dentre esses métodos, devem ser empregados inicialmente os de barreira, reservando-se a pílula anticoncepcional para situações nas quais a elevação da Prolactina já foi adequadamente controlada.

Como se previne?

Não se conhecem métodos de prevenção. O diagnóstico precoce e um adequado manejo endocrinológico e, quando necessário, neurocirúrgico são fundamentais para a adequada resolução das diversas situações clínicas associadas aos adenomas hipofisários produtores de prolactina (prolactinomas).




Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement


RECOMENDADO PARA VOCÊ

Amenorreia Primária  Amenorréia primária é a ausência de menstruação em uma menina de 14 anos que não apresenta ainda desenvolvimento de caracteres sexuais secundários

Amenorreia Secundária  Amenorréia secundária é a ausência de menstruação por um período maior do que 3 meses em mulher que anteriormente já apresentou ciclos menstruais.

Osteoporose  Osteoporose é a doença óssea metabólica mais freqüente, sendo a fratura a sua manifestação clínica.

Infertilidade  O casal infértil é aquele que, com mais de um ano de relações sexuais desprotegidas (sem uso de método anticoncepcional) e freqüentes, não conseguiu engravidar.

Acne  Acne vulgar ou juvenil é uma das dermatoses (doenças da pele) de maior predominância, afeta cerca de 80% dos adolescentes, mas pode persistir ou iniciar-se em idade adulta.

Tumores de Hipófise  Não se conhecem métodos de prevenção. O diagnóstico precoce e um adequado manejo endocrinológico e, quando necessário, neurocirúrgico, são fundamentais para a adequada resolução das diversas situações

Dor de Cabeça (Cefaleia)  Cefaléia, ou “dor de cabeça” como popularmente é conhecida, constitui problema freqüente na população em geral, sendo uma das causas mais comuns de busca de atendimento médico.

Impotência - Disfunção Erétil  A eventual ocorrência de perda de ereção não é considerada impotência.

Perda da Libido / Baixo Desejo Sexual  Estamos discutindo uma série de causas diferentes, mas com uma forma de apresentação clínica que pode variar apenas entre dois quadros distintos: O Desejo Sexual Hipoativo e a Aversão Sexual.

Dispareunia (Dor na Relação Sexual)  A dor que ocorre durante a relação sexual tem, na maioria das vezes, causas orgânicas. Os fatores psicológicos também podem estar envolvidos.


Autor

Título: Prolactinomas

Link : | Data de Acesso : 03/12/2016 - Código do Conteúdo : Artigo 347 | Palavras-Chave : Prolactinomas - Endocrinologia - Tumor na Cabeça , Hiperpituitarismo , Prolactina , Prolactinomas , Tumores, Incidentalomas Hipofisários , Galactorréia , Diminuição de libido , Infertilidade .





Aviso Legal

Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na internet, sem autorização mesmo que citada a fonte - (Inciso I do Artigo 29 - Lei 9.610/98). Permitido o uso para trabalhos escolares, sem autorização prévia, desde que não sejam republicados na internet. Os anúncios publicitários são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos anunciantes, não constituindo qualquer forma de indicação ou de interferência no conteúdo editorial. Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas através do site ABC DA SAUDE, o qual tem por objetivo a informação, divulgação e educação acerca de temas médicos, e cujos artigos expressam tão somente o ponto de vista dos seus respectivos autores. Tais informações não deverão, de forma alguma, ser utilizadas como substituto para o diagnóstico médico ou tratamento de qualquer doença sem antes consultar um médico.
Política Editorial :https://www.abcdasaude.com.br/sobre
© Copyright 2001-2016 - ABC da Saúde Informações Médicas Ltda. - Proibida a reprodução sem autorização - Todos os direitos reservados.