TRANSPLANTE DE FIGADO E A LISTA ÚNICA

A mesma sociedade que se outorga o direito de transplantar órgãos de doadores falecidos deve assumir também a responsabilidade de distribuí-los de forma equânime, transparente e auditável. A lista única de receptores adotada no Brasil nos últimos 11 anos atinge plenamente esses objetivos. Entretanto, amplo noticiário sobre eventuais irregularidades ocorridas no transplante de fígado no Rio de Janeiro torna oportuno reafirmar a eficácia e a segurança desse método a fim de evitar efeitos negativos na autorização familiar, parte da já insuficiente captação de órgãos em nosso País.

Esses efeitos seriam particularmente inoportunos uma vez que recentes medidas adotadas pelo Sistema Nacional de Transplantes (SNT) do Ministério da Saúde (MS) aumentaram a captação que, em São Paulo, elevou em 29% o numero de transplantes no primeiro semestre deste ano.

Toda vez que em assistência médica a demanda é maior que a possibilidade de atendimento é necessário estabelecer um critério de prioridade, ou seja, a quem atender primeiro. Essa situação é mais importante no caso dos transplantes uma vez que são indicados somente para pacientes sem outra forma de tratamento capaz de evitar sua morte em curto prazo.

O transplante de fígado foi realizado com sucesso pela primeira vez no Brasil em 1985 e, a partir de 1989, surgiram várias equipes que seqüencialmente recebiam os enxertos e decidiam quem transplantar. Observou-se, porém, que essa sistemática, na qual o enxerto era destinado às equipes, determinava grave distorção. Nos hospitais privados a espera era de 15 dias pelo pequeno número de pacientes capazes de pagar o alto custo do tratamento enquanto que no Hospital das Clínicas, que transplantava apenas pacientes SUS, a espera ultrapassava um ano.

Em 1997, a fim de corrigir essa injustiça, o MS estabeleceu a lista única na qual todos os pacientes são inscritos na central de transplantes (CT) da Secretaria Estadual de Saúde que, obedecendo um critério constante, determina quem deve ser transplantado, ou seja, o enxerto é destinado ao receptor.

Durante 10 anos, a lista obedeceu a um critério cronológico de prioridade que transplantava os inscritos conforme sua data de inscrição. Tinha a vantagem de ser totalmente objetiva e de fácil controle, mas pacientes menos graves eram transplantados antes de outros mais graves que faleciam durante a espera.

A partir de 2006, após ampla discussão, o critério passou a ser por gravidade, ou seja, transplantam-se primeiro os mais graves já que os menos graves podem aguardar graças à sua maior reserva funcional. Como a avaliação clinica da gravidade depende de interpretação subjetiva, e, portanto, passível de eventuais influencias espúrias, adota-se o critério MELD que calcula a gravidade de cada caso por uma fórmula matemática baseada em resultados numéricos de exames laboratoriais.

Visando maior controle da lista única adota-se, obrigatoriamente, uma sistemática que inclui cuidados:

Gerais

gravam-se e armazenam-se todas comunicações telefônicas da ou para a CT;
disponibilizam-se todos os dados via Internet;
todos os meses, enviam-se ao Ministério Público a relação dos pacientes inscritos na lista única, dos doadores notificados, dos enxertos aproveitados, dos transplantes realizados, e a gravação de todos os telefonemas realizados pela CT.

Receptor

todos os candidatos são inscritos na CT e por ela ordenados conforme o critério MELD;
são aceitos apenas exames realizados em laboratórios credenciados;
periodicamente, o cálculo do índice MELD é repetido pela equipe responsável que comunica à CT eventuais alterações para mais ou para menos.

Doador

por determinação legal, a disponibilidade de qualquer doador é notificada à CT;
a CT avisa por telefone a equipe do receptor em primeiro lugar na lista com tipo de sangue ABO compatível. Informa também algumas variáveis relacionadas à qualidade do enxerto como dados clínicos, peso, idade do doador e resultado de exames laboratoriais e sorológicos.

Transplante

se o transplante for realizado, a equipe notifica a CT para que o receptor possa receber gratuitamente do Estado a medicação imunossupressora pelo resto da vida;
se a equipe recusar o enxerto, as razões da recusa são registradas e a CT oferece o órgão ao próximo receptor na lista, habitualmente de outra equipe. A seqüência se repete até que o enxerto seja transplantado;
apenas se nenhuma equipe o aceitar o enxerto é descartado.

Percebe-se, assim, que o exato cumprimento da lista única é fiscalizado pela CT, pelo Ministério Público, pelos membros de todas as equipes e, via Internet, pelos outros pacientes inscritos.

Teoricamente, a desobediência só pode ocorrer de uma forma grosseira transplantando outro paciente em prejuízo daquele para o qual o enxerto foi destinado ou de forma mais elaborada alterando o resultado dos exames laboratoriais de tal forma a aumentar seu índice MELD, transferindo o paciente para o topo da lista.

Em qualquer uma das hipóteses, a fraude é facilmente detectável e cada uma das instancias fiscalizadoras agirá no âmbito de suas atribuições para confirmar o ocorrido, analisá-lo, julgá-lo e, eventualmente, puni-lo nos termos da legislação vigente.

Entretanto, se apesar de todos esses cuidados ocorrer alguma falha isolada, ela deve ser dimensionada ante os 4.734 transplantes de órgãos, dos quais 971 de fígado, e aos 13.887 transplantes de tecidos realizados no Brasil em 2007. São vidas que foram salvas graças à generosidade de outros, por meio de um tratamento inovador que depende, porém, mais do que os anteriores, das limitações inerentes à condição humana de quem os realiza.




Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement


RECOMENDADO PARA VOCÊ

Transplante de Fígado Após Um Ano de Critério Meld  Completou-se em 14.07.2007 um ano da aplicação do critério MELD (Model for End-Stage Liver Disease) para conferir prioridade aos candidatos a transplante de fígado.

Câncer de Fígado - Detecção Precoce  Fatores de risco mais comuns associados ao carcinoma hepatocelular

Transplante de Fígado com Doador Vivo  Na Unidade de Fígado, havendo indicação, o receptor e seus familiares são informados da existência da alternativa intervivos e dos seus resultados.

Hepatites  É qualquer inflamação do fígado. Pode ser causada por infecções (vírus, bactérias), álcool, medicamentos, drogas, doenças hereditárias (depósitos anormais de ferro, cobre) e doenças autoimunes.

Hepatoma  Hepatoma é o mais freqüente câncer originado no fígado.

Colangite Aguda  É a inflamação aguda dos canais que conduzem a bile. Isso inclui desde os mais finos, dentro do fígado ao mais calibroso, o colédoco, que recebe toda a bile produzida no fígado e aquela já acumulada na vesícula.

Cirrose Biliar Primária  A cirrose biliar primária é uma destruição progressiva dos canais biliares provocada por um ataque do próprio sistema imune (sistema de defesas) do indivíduos

Cólica Biliar  Os cálculos estão presentes ao redor de 10 a 20% dos adultos entre 35 e 65 anos, predominando entre as mulheres que estiveram grávidas, as que têm excesso de peso e as usuárias de hormônios estrógenos e de pílulas anticoncepcionais.

Hepatite Autoimune  É uma inflamação crônica do fígado sem causa conhecida.

Cirrose  A cirrose é uma doença difusa do fígado, que altera as funções das suas células e dos sistemas de canais biliares e sanguíneos.


Autor

Título: Prioridade Para Transplante de Fígado

Link : | Data de Acesso : 05/12/2016 - Código do Conteúdo : Artigo 510 | Palavras-Chave : Prioridade Para Transplante de Fígado - Gastroenterologia - câncer de fígado, cirrose, hepatoma , heptatites, prioridade para transplante de fígado , colangite aguda , transplante intervivos, doador vivo, receptor, enxerto, MELD , SNT, sistema nacional de transplantes .





Aviso Legal

Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na internet, sem autorização mesmo que citada a fonte - (Inciso I do Artigo 29 - Lei 9.610/98). Permitido o uso para trabalhos escolares, sem autorização prévia, desde que não sejam republicados na internet. Os anúncios publicitários são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos anunciantes, não constituindo qualquer forma de indicação ou de interferência no conteúdo editorial. Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas através do site ABC DA SAUDE, o qual tem por objetivo a informação, divulgação e educação acerca de temas médicos, e cujos artigos expressam tão somente o ponto de vista dos seus respectivos autores. Tais informações não deverão, de forma alguma, ser utilizadas como substituto para o diagnóstico médico ou tratamento de qualquer doença sem antes consultar um médico.
Política Editorial :https://www.abcdasaude.com.br/sobre
© Copyright 2001-2016 - ABC da Saúde Informações Médicas Ltda. - Proibida a reprodução sem autorização - Todos os direitos reservados.