Barriga grande pode ser um problema de saúde sério, mesmo com peso e índice de massa corporal normal - ABC da Saúde

Barriga grande pode ser um problema de saúde sério, mesmo com peso e índice de massa corporal normal

A obesidade é um problema que atinge um número cada vez maior de pessoas no mundo todo, aumentando o risco para várias doenças e morte prematura, o que a torna um problema de saúde pública.

A avaliação e caracterização da obesidade têm mudado nos últimos tempos.

Antigamente a avaliação era mais empírica e levava em conta, basicamente, o peso corporal, algumas vezes associado, intuitivamente, à altura da pessoa. Mais recentemente esta avaliação foi sistematizada e tornou-se mais precisa com a utilização do índice de massa corporal (IMC), também chamado índice de Quetelet, que relaciona o peso do indivíduo com a sua altura (o peso em Kg é dividido pela altura em metros ao quadrado). Os valores foram classificados em diferentes faixas, sendo os valores de 18,5 a 25 caracterizados como normais, de 25 a 30 como pessoas com sobrepeso, de 30 a 35 como obesos e acima de 35 como obesidade mórbida.

Estudos recentes têm sugerido que a circunferência abdominal é um fator independente de avaliação, que, isoladamente, poderia ser um indicador dos riscos causados pela obesidade.

Resultados de uma grande pesquisa de colaboração internacional, coordenada pela Clínica Mayo, dos Estados Unidos, foi publicada recentemente. O objetivo foi avaliar o efeito da circunferência abdominal sobre a mortalidade em todas as faixas de índice de massa corporal. Foram analisados dados de mais de 650 mil indivíduos de 20 a 83 anos, dados estes compilados de 11 estudos originados de várias partes do mundo.

A pesquisa apontou uma forte associação, positiva e linear, entre a circunferência abdominal e mortalidade. Quanto maior a circunferência maior o risco de morrer mais jovem, com ênfase em morrer de doença cardíaca, problemas pulmonares e câncer. Esta associação foi observada mesmo nos indivíduos com índices de massa considerados saudáveis.

Homens com circunferência de 110 cm ou mais têm um risco de morte 50% maior que aqueles com menos de 90 cm de circunferência abdominal, o que equivale a uma redução de 3 anos na expectativa de vida a partir dos 40 anos. Para mulheres, uma circunferência maior que 95 cm aumenta o risco de morte em 80%, quando comparado com circunferências menores que 70 cm, representando uma redução de 5 anos na expectativa de vida a partir dos 40 anos.

Este aumento de risco é linear para ambos os sexos. Para cada 5 cm de aumento da circunferência abdominal, o risco de morte aumenta 7 por cento para homens e 9 por cento para mulheres. Isto, independente do índice de massa corporal.

O motivo pelo qual pessoas, que não aparentam obesidade e têm IMC normal, porém apresentam uma barriga acentuada, terem maior predisposição a uma série de doenças e morte prematura, pode estar ligado ao fato que a gordura que se deposita no abdome tem um perfil metabólico diferenciado, associado a doenças como diabete e doença cardíaca.

Mais do que questão estética, a barriga aumentada pode ser a origem de problemas graves de saúde, mesmo nas pessoas com índices de massa corporal considerados saudáveis.

Conclui-se, portanto, que além do IMC, o controle da circunferência abdominal passa a ser um fator decisivo para a manutenção da boa saúde e longevidade.

Autor: Equipe ABC da Saúde

Referência Bibliográfica

  • -Mayo Clinical Proceedings. March 2014;89(3):335-345

RECOMENDADO PARA VOCÊ

OBESIDADE
ABC DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL
FUNÇÃO SEXUAL EM HOMENS OBESOS
OBESIDADE E ASMA
ABDOMINOPLASTIA
DESNUTRIÇÃO


Publicado em : 19/03/2014 15:01





Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement







Publicidade/Advertisement

Dieta do Medirrâneo / Dieta Mediterrânea
Publicidade/Advertisement


Notícias


FUNDACRED - Crédito Educativo


Destaques