Novas diretrizes para controle do colesterol e prevenção de doença cardíaca. - ABC da Saúde

Novas diretrizes para controle do colesterol e prevenção de doença cardíaca

Foi lançado no dia 12 de novembro o novo guia de diretrizes para controle do colesterol e prevenção de doenças cardiovasculares, produzido em conjunto pelaAssociação Americana do Coração e pelo Colégio Americano de Cardiologia. Por estas novas diretrizes, haverá, segundo alguns especialistas, uma grande expansão no número de pessoas que serão medicadas com fármacos que baixam o colesterol, as chamadas estatinas.

A mudança mais importante das novas diretrizes é que a concentração de colesterol no sangue (colesterol total incluindo LDL ou "colesterol ruim") deixa de ser o principal fator para determinar o uso das estatinas. Pelo novo guia as pessoas que são aconselhadas a receber estatinas são:

  • a) as que já têm doença do coração,
  • b) as que têm o LDL sanguíneo igual ou maior que 190 mg%,
  • c) as que têm diabete tipo 2 na meia idade e, por fim,
  • d) as pessoas de 40 a 75 anos (sem doença cardíaca ou diabete e com LDL abaixo de 190 mg%) que têm um risco estimado de 7,5% de ter doença cardíaca nos próximos 10 anos.

Esta estimativa de risco é feita por meio de um programa que acompanha o guia de diretrizes e pode ser acessado online. Os fatores considerados no programa para a estimativa de risco são: sexo, idade, etnia (afrodescendente ou branco e outros), colesterol total, colesterol bom (HDL), pressão sistólica (a mais alta das duas que são medidas), se recebe tratamento para pressão alta ou não, se é diabético ou não e se é fumante ou não.

A principal polêmica criada em torno das novas diretrizes diz respeito a este último critério (d) para prescrição de estatinas, que é a estimativa de risco nos próximos 10 anos nas pessoas de 40 a 75 anos. A principal crítica feita por alguns especialistas é que o programa superestima o risco cardíaco, o que levará milhões de pessoas absolutamente saudáveis a tomar o medicamento.

Os autores das diretrizes, por sua vez, minimizam as críticas ao programa de estimativa de risco, e o classificam como uma ferramenta simples e que serve de alerta, identificando quem deve procurar um aconselhamento médico e não como uma ordem para que a pessoa tome estatina. Os autores salientam também que esta revisão no manejo do colesterol sugere que o tratamento deve ser individualizado, pessoas com maior risco devem receber maiores doses e estatinas mais potentes do que as pessoas de menor risco.

Estas controvérsias podem ter um efeito colateral negativo importante, que é o de tirar a atenção dos dois principais fatores de prevenção da doença cardiovascular e de redução do colesterol: - o estilo de vida e o controle de peso.

Estes dois aspectos mereceram, cada um, um guia de diretrizes independente, lançados em conjunto com o guia do colesterol/estatinas. As recomendações de estilo de vida (atividade física e alimentação saudável) e controle de peso podem (e devem) ser aplicadas também em pessoas saudáveis, e não têm efeitos colaterais. No entanto, são de graça e não custam nada. Talvez aí esteja o problema.

Autor:Dr. Gilberto Sanvitto - ABC da Saúde

Referência Bibliográfica

  • - 2013 ACC/AHA Guideline on the Treatment of Blood Cholesterol to Reduce Atherosclerotic Cardiovascular Risk in Adults -
    http://circ.ahajournals.org/lookup/suppl/doi:10.1161/01.cir.0000437738.63853.7a/-/DC1.
  • - Cholesterol Guidelines Under Attack - ShareBy THE EDITORIAL BOARD - The New York Times - November 18, 2013

RECOMENDADO PARA VOCÊ

COLESTEROL - ABC da Saúde
COMO CORRIGIR O FATOR DE RISCO COLESTEROL - ABC da Saúde
COLESTEROL E FIBRAS - ABC da Saúde
ESTATINAS E COLESTEROL - ABC da Saúde
FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDÍACAS - ABC da Saúde
DISLIPIDEMIAS - ABC da Saúde
ENTENDENDO MELHOR AS GORDURAS: BENEFÍCIOS E DANOS À SAÚDE - ABC da Saúde


Publicado em :19/11/2013 18:56




Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement