Tempo de amamentação tem impacto positivo na vida adulta | ABC da Saúde

Tempo de amamentação tem impacto positivo na vida adulta

Bebês que são amamentados com leite materno têm uma série de benefícios conhecidos a curto e médio prazo, a maior parte associada a um menor número de doenças infecciosas na infância e maiores escores de inteligência na adolescência.

Repercussões de longo prazo ainda não eram conhecidas, pois as pesquisas que avaliaram os efeitos da amamentação com leite materno acompanharam os bebês no máximo até a adolescência.

Agora, esta lacuna no conhecimento é preenchida por um estudo brasileiro produzido na Universidade Federal de Pelotas, no Rio Grande do Sul. A pesquisa foi publicada no dia 17 de março na revista científica The Lancet Global Health. O estudo teve início em 1982 com a coleta de informações sobre a amamentação de cerca de 6000 bebês nascidos naquele ano na comunidade de Pelotas/RS. Desta amostra, perto de 3500 foram submetidos a um teste de QI (quociente de inteligência) 30 anos depois. Além disso, vários dados foram registrados, como grau de educação e rendimentos.

A amamentação no seio ao nascer foi associada com maior inteligência, mais tempo de educação formal e maior rendimento quando adulto. E, quanto maior o tempo de amamentação, maiores são os efeitos positivos. Vários outros fatores que poderiam estar associados aos desfechos analisados (como o grau de educação dos pais, se a mãe fumava durante a gravidez, fatores genéticos, idade da mãe, tipo de parto, etc.) foram excluídos por meio de metodologias estatísticas de ajuste para fatores de confusão.

As possíveis explicações para estes achados estão associadas a fatores nutricionais, principalmente a presença no leite materno de ácidos graxos saturados de cadeias longas, componente muito importante para o desenvolvimento do cérebro.

Apesar do tipo de estudo não permitir que seja estabelecida uma relação de causa e efeito (o estudo não pode provar que os efeitos no adulto foram consequências diretas da amamentação), a forte associação permite inferir que esta relação causal existe.

Deve ser considerado também que o desenvolvimento de um indivíduo até a idade adulta envolve uma grande quantidade de variáveis. Certamente a amamentação é uma delas, talvez a mais importante. Por outro lado, o fato de uma mãe não ter amamentado seu filho, ou ter amamentado por pouco tempo, não significa que ele não terá sucesso na vida adulta.

Este estudo confirma que estimular a amamentação com leite materno pelo maior tempo possível é uma ação de grande impacto positivo na saúde pública.

Autor: Equipe ABC da Saúde

Referência Bibliográfica

  • -The Lancet Global Health - www. thelancet.com/lancetgh Vol 3 April 2015 - Published online March 17, 2015.
    DOI: http://dx.doi.org/10.1016/S2214-109X(15)70002-1

RECOMENDADO PARA VOCÊ

Aleitamento Materno
Crescimento no Primeiro Ano de Vida
Icterícia do Recém Nascido (Amarelão)
Índice de Apgar
Calendário de Vacinação
Amamentação e Dentição
Aleitamento Natural x Aleitamento Artificial
Usando a mamadeira com bom senso
Amamentação - Odontologia e Fonoaudiologia

Publicado em : 18/03/2015 17:14





Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement







Publicidade/Advertisement

Dieta do Medirrâneo / Dieta Mediterrânea
Publicidade/Advertisement


Notícias


FUNDACRED - Crédito Educativo


Destaques