ASSUMINDO A HOMOSSEXUALIDADE

O desejo por pessoas do mesmo sexo pode surgir bem antes da fase adulta. Com o tempo, meninos e meninas percebem que o ‘normal’ é se interessar por pessoas do sexo oposto. Mas, alguns se veem diferentes por não se sentirem assim e, por isso, acabam ‘entrando no armário’. Muitos não se revelam por receio: sentem-se sozinhos, rejeitados e com quilos de preconceitos. Inibem tais sentimentos por medo de serem marginalizados, e acabam sofrendo com tal opção.

É preciso deixar claro que os casos homossexuais não nos contam sobre opções. É por isso que muitos julgam incorreto o termo opção sexual. O certo seria dizer orientação, já que tais pessoas são motivadas por um desejo que não controlam. Talvez valha lembrar que orientação sexual não é só sexo. Existem sentimentos, dificuldades e medos que vão além da conotação sexual. É uma atração afetiva, emocional e não puramente sexual.

A homossexualidade teve sua condenação histórica, já que toda manifestação sexual sem fins reprodutivos foi, e ainda é, severamente condenada. Nisso, a religião exerceu grande papel castrador no negativismo homossexual. Muito da informação que nos chega sobre a homossexualidade é estereotipada ou corrompida. Ainda que nossa sociedade já tenha evoluído em muitos aspectos, quando falamos sobre a homossexualidade, ela se apresenta homofóbica, julgando-os como promíscuos. É preciso rever tais ideias e respeitar os direitos de todos os cidadãos. A luta dos homossexuais é enorme para reverter esse quadro. Eles buscam por respeito, mas, ainda assim, são alvo de discriminações e vítimas de uma sociedade heterocentrada, que opera com preconceito para não tratar de forma igualitária aqueles considerados diferentes.

Mas, é preciso assumir, não só para a sociedade, como para si e para a família. Às vezes, o próprio homossexual é homofóbico, já que é muito difícil extinguir anos de negativismo. Por isso, muitos acabam tendo uma vida dupla, pelo medo de perder o amor das pessoas. Mas, poder assumir para si próprio é anular preconceitos internalizados, ainda que haja um grande medo da revelação, o que vai depender do ambiente, da história de vida e de como a própria pessoa se aceitou. A aceitação varia de acordo com as mensagens que foram recebidas. Mas não se cobre, sair do armário não é um ato único que acontece da noite para o dia. Há quem prefira ir aos poucos.

Outro fantasma que ronda esse momento é a hora de contar para os pais. Não existe um melhor momento para isso. Ou melhor, o momento ideal é quando você está seguro e tem certeza daquilo que quer e é. Mas, saiba que não há como prever a reação deles. Alguns se ressentem de tal revelação e, como arma de combate, fazem da dependência financeira um argumento para que os filhos mudem de orientação. É preciso paciência pois o processo de assimilação pode demorar anos. Às vezes, se a própria pessoa já demora um tempo para se auto-aceitar, os pais também podem não conseguir aceitar de uma hora pra outra. São muitos os que se chocam com tal descoberta, e passam por um momento de grande desgaste emocional. Eles vão precisar aprender com os filhos o que acontece com eles, pois sentem como se estivessem perdendo as projeções feitas ou o sonho de serem avós, por exemplo. Outros pais se preocupam com o preconceito social que o filho, por ventura, possa vir a passar, já que ser minoria é se sentir marginalizado, muitas vezes. Já, outros negam tal condição como uma forma de proteger-se das mudanças. Mas, o mais importante a saber é que seu filho continua sendo a mesma pessoa de antes, a única coisa que mudou é que agora você sabe que ele é gay.

Saiba, também, que o seu filho não está contra você, mas a favor dele. O filho de antes é o mesmo de agora. Não existem culpados por isso, e ninguém fez nada de errado. É uma opção que os pais farão: poderão escolher se querem continuar participando da vida do filho, ou vão negá-lo somente por conta da sua orientação sexual. Os pais podem precisar pesquisar sobre o assunto para entenderem melhor o que está acontecendo com eles e com o filho.

Há também aqueles que vão procurar por um apoio psicoterápico nesse momento. A psicologia trabalha, auxiliando no caminho para a auto-estima e a auto-afirmação. Um trabalho que visa o entendimento daquilo pelo que a pessoa está passando. Assim, a ajuda de um profissional qualificado é de vital importância para combater as rejeições. Mas, desconfie de quem avisa que é possível curar a homossexualidade, até porque tal condição não é uma doença, muito menos um desvio psicológico. Ou seja, a psicoterapia é capaz de fornecer suporte para uma boa aceitação e força para lidar com suas decisões. Não significa apontar saídas, mas possibilitar a reflexão das opções para que possa lidar de uma forma menos traumática com as pressões sociais.




Publicidade/Advertisement

RECOMENDADO PARA VOCÊ

Atração Sexual  Várias teorias surgiram tentando definir que características seriam mais importantes para chamar atenção do outro sexo.

Anatomia e Fisiologia Sexual: Como a Coisa Funciona?  Claro que é preciso ter desejo para se buscar um bom sexo, mas sem um bom funcionamento da nossa "aparelhagem sexual", não há condições

Mitos e Tabus Sexuais  A masturbação é um comportamento absolutamente normal e pode estar presente em qualquer idade.

Afrodisíacos  A procura por fórmulas mágicas para o incremento da vida sexual pode ser observada ao longo de toda a história da humanidade, principalmente nos livros eróticos do oriente - manuais chineses, hindus e árabes.

Assexualidade  Uma pessoa que se diz assexuada pode se apaixonar por outra, amá-la e ser feliz, ainda que nunca se sinta sexualmente atraída e tenha necessidades sexuais.

O Estudo Da Sexualidade Humana  A curiosidade sobre a sexualidade e os sentimentos que ela desperta sempre esteve presente ao longo da história da humanidade.

Masturbação  Define-se masturbação como a autogratificação sexual e esta não está associada exclusivamente ao estímulo dos genitais como a maioria das pessoas acredita.

Sexo na Adolescência  A Adolescência, período de vida compreendido entre 10 e 20 anos, é uma fase bastante conturbada. Ocorrem transformações físicas e emocionais importantes, preparando a criança para assumir um novo papel perante a família e a sociedade

Uso da Camisinha  Mesmo que muitas coisas já tenham sido ditas sobre o seu uso, as pessoas ainda são resistentes a fazerem da camisinha um hábito.

Sexo Compulsivo  A erotomania e a ninfomania são termos que indicam um exagero do desejo sexual por parte de um homem e de uma mulher, respectivamente.


Autor

Título: Assumindo a Homossexualidade

Link : | Data de Acesso : 06/12/2016 - Código do Conteúdo : Artigo 758 | Palavras-Chave : Assumindo a Homossexualidade - Sexologia - orientação sexual , gay , lésbica , sociedade , pressões sociais , descoberta , preconceito .





Aviso Legal

Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na internet, sem autorização mesmo que citada a fonte - (Inciso I do Artigo 29 - Lei 9.610/98). Permitido o uso para trabalhos escolares, sem autorização prévia, desde que não sejam republicados na internet. Os anúncios publicitários são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos anunciantes, não constituindo qualquer forma de indicação ou de interferência no conteúdo editorial. Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas através do site ABC DA SAUDE, o qual tem por objetivo a informação, divulgação e educação acerca de temas médicos, e cujos artigos expressam tão somente o ponto de vista dos seus respectivos autores. Tais informações não deverão, de forma alguma, ser utilizadas como substituto para o diagnóstico médico ou tratamento de qualquer doença sem antes consultar um médico.
Política Editorial :https://www.abcdasaude.com.br/sobre
© Copyright 2001-2016 - ABC da Saúde Informações Médicas Ltda. - Proibida a reprodução sem autorização - Todos os direitos reservados.