INIBIÇÃO DO DESEJO SEXUAL

INIBIÇÃO DO DESEJO SEXUAL

A criação baseada na repressão e influências negativas em relação à sexualidade trouxe intenso efeito na vida sexual feminina. Assim, muitas continuam oprimindo seus desejos e vivenciando condições fortemente conflitivas, com grande resultado emocional. Na nossa sociedade vigorou a idéia de que a mulher honesta não sentia desejo sexual, sexo era destinado aos homens ou às mulheres que não fossem sérias. Dessa forma, a educação era para que a sexualidade não viesse à tona baseando-se em noções de pecado e culpa - idéia que ainda contamina a atualidade. A revolução sexual da década de 60 trouxe uma forma de alterar tais valores percebendo-se hoje uma busca pela satisfação e equilíbrio sexual.

Em algumas culturas o sexo ainda é um tabu e encarado como pecaminoso. No Brasil as mulheres ainda são influenciadas a reprimirem seus desejos, por outro lado, percebe-se também uma sexualidade estereotipada, ditada pelas revistas da moda, convocando a vivencia sexual livre. Acontece que se a mulher não se encaixa em tal script, logo pensa que está sofrendo com falta de desejo. Outra questão a ser apontada é a confusão entre a figura da mulher maternal e sexual, como essas fossem atuações incompatíveis. Ainda é sustentado um estereótipo em relação à figura da mãe: nega-se o lado sexual e feminino em nome da maternidade.

Conceito

O ciclo da resposta sexual humana é composto por desejo, excitação e orgasmo. Não existe uma obrigatoriedade de desfrutar todas essas fases, porém, a ausência constante de alguma, indica que algo não vai bem. A primeira fase, o desejo, é o desencadear de toda a relação, ou seja, onde tudo começa: a pretensão, a vontade de se aproximar do outro e mostrar-se receptiva. Estão envolvidos hormônios e neurotransmissores especializados que induz sensações especificas, incitando a busca pela experiência sexual. Porém, o desejo sexual humano não pode ser comparado à simples pulsões fisiológicas, como a sede ou a fome. Este é um fenômeno subjetivo experimentado pelo corpo, e, muitas vezes, diz respeito a estímulos externos, sendo bem mais complexo. Colaboram para a sua formação as fantasias sexuais, a receptividade do companheiro (a), o início do comportamento sexual, as sensações genitais, as respostas aos sinais eróticos do meio ambiente, a iniciação da masturbação, entre outros.

Outra questão envolvida na motivação sexual é a avaliação que é feita do parceiro (a). Quando ela é positiva, a pessoa tem vontade de se relacionar sexualmente. Qualquer estímulo pode ser reforçador, como o (a) parceiro (a) ser um bom pai (mãe) ou ser admirado (a) profissionalmente. Quando ela é negativa, tal vontade se perde. Sentimentos de mágoas e decepção minam o desejo pelo (a) parceiro (a), pelo investimento na relação. O desejo sexual hipoativo é caracterizado por uma diminuição ou ausência completa de fantasias eróticas, além da falta de iniciativa para o ato sexual e fuga do relacionamento sexual. Ou seja, a baixa freqüência coital revela uma ausência de desejo sexual espontâneo, porém deve-se levar em consideração a idade e o contexto de vida.

É como se a importância dada ao sexo tivesse adormecida. Dessa forma, as questões relacionadas ao desejo costumam gerar uma grande aflição por serem bastante desgastantes ao influenciar toda a motivação do casal já que há um impedimento no envolvimento com o (a) parceiro (a), que se queixa de falta de intimidade ou reciprocidade. Assim, tal distúrbio, que pode afetar tanto homens como mulheres, é uma situação capaz de motivar sérias complicações emocionais e problemas de relacionamento íntimo.

Percebe-se nas mulheres, na maioria das vezes, um comportamento de 'luta ou fuga'. Ela pode insistir na relação, fingindo satisfação, o que deixa o parceiro fora da realidade e da possibilidade de apoiá-la, ou pode fugir da intimidade sexual alegando dores de cabeça, cansaço e, novamente, evitando o apoio do parceiro, além de possibilitar que ele se sinta rejeitado sem poder entender de fato o que está acontecendo.Vale lembrar que, às vezes, a queixa de um parceiro sobre seu baixo desejo diz respeito as necessidade excessivas dele, já que a força do desejo e a freqüência dele variam de cada pessoa e dizem respeito ao contexto familiar, social e a idade.

Além disso, a falta de desejo sexual não está relacionada com falta de amor: sexo não pode ser confundido com amor. Outras vezes tal problema pode ser transferido para o parceiro que passa a ser visto como um constante inimigo e responsabilizado pela perda do desejo. A depressão é uma conseqüência esperada assim como o desajuste conjugal. Vale ressaltar que para esse quadro ser classificado, ele deve causar acentuado sofrimento ou algum tipo de dificuldade interpessoal e não ser reflexo de alguma condição médica geral. Um estágio avançado do Transtorno de Desejo Sexual Hipoativo é o Transtorno de Aversão Sexual cuja característica fundamental é a aversão e esquiva do contato sexual genital, onde se relata ansiedade, medo ou recusa ao se encontrar diante de uma oportunidade sexual.

Etiologia

O desejo sexual é entendido como um complexo vivencial criado por três componentes fundamentais: a biologia, a socialização e a psicologia. Comumente tais fatores atuam simultaneamente e reforçam-se mutuamente. A disfunção de tal ordem é freqüentemente ocasionada por fatores psicossociais, mas o lado orgânico também pode compor esse quadro, embora de forma mais rara que o outro. Fatores orgânicos: desequilíbrios hormonais provocados por parto, amamentação, menopausa e anticoncepcionais, alterações de neurotransmissores, anemia, aumento da prolactina, deficiência cardíaca congestiva ou hipotiroidismo, diminuição de testosterona ou estrogênio, nódulos vaginais ou infecções, depressão, anedonia, medicamentos e drogas (álcool, tranqüilizantes, anti-hipertensivos, maconha, anfetaminas, cocaína e craque), dispareunia e algumas debilidades físicas, entre outros.

Fatores psicossociais: forma de criação, repressão e influências culturais negativas, dificuldade de concentração nas sensações eróticas fazendo com que a atividade sexual pareça sem graça e desagradável, bloqueios emocionais, falta de investimento na relação, imaturidade emocional e sexual, dificuldades no relacionamento com o (a) parceiro (a), raivas entre o casal, ressentimentos e mágoas, sentimentos de não realização pessoal, presença de disfunção sexual no parceiro, frustrações profissionais, dificuldade em conciliar a maternidade com os outros papéis, situações traumáticas de abuso sexual ou estupro, tabu sobre sexualidade, falta de intimidade com o corpo e com o parceiro, traumas, medos e culpas, mensagens anti-sexuais durante a infância, baixa de auto-estima, avaliação negativa do parceiro, decepção e incompreensão, religião, valorização dos aspectos negativos da sexualidade, estresse, depressão e ansiedade, temor de alguma represália pelo ato sexual, da intimidade, de obter um prazer "proibido e pecaminoso", do compromisso ou gravidez, parceiro ou atividade sexual insatisfatórios, rotina sexual, valores negativos relacionados a sexualidade, excesso de preocupações com a vida em geral e em proporcionar prazer a(o) companheira(a), vergonha, constrangimento e frustração, práticas sexuais pouco ou nada gratificantes, cansaço físico e/ou mental, falta de diálogo entre o casal, dificuldades com o cotidiano, entre outros.

Tratamento

É crescente o número que procura ajuda por sentirem desmotivação sexual. Procuram por terapeutas sexuais, ginecologistas e até mesmo por amigas, mas raramente falam sobre tal assunto com o parceiro por se sentirem insegurança na estabilidade de seus relacionamentos. Essa é uma das disfunções mais difíceis de se tratar, já que em regra a disfunção já acompanha o indivíduo por anos. Talvez por preconceito ou mesmo vergonha, quando procuraram por ajuda geralmente já encontram-se bem abaladas, com um relacionamento desgastado pelas brigas e desconfianças (é bem comum o parceiro acreditar que está sendo traído) e desentendimentos.

No tratamento, o enfoque principal é a disfunção, devendo-se fazer uma leitura do conflito, a fim de saber se existe alguma dificuldade emocional ou psicológica, ou se o problema é físico. Porém, o trabalho além do desaparecimento do sintoma, tende favorecer condições para a reestruturação nas múltiplas facetas da vida: envolve o tratamento de doenças envolvidas, a substituição de medicações que possam estar interferindo na resposta sexual e algumas vezes, a correção das alterações hormonais. O objetivo é deparar com as causas contribuintes de tal queixa e para tanto existem três caminhos a serem traçados: atender individualmente a mulher que apresenta tais questões ou fazer uma terapia de casal, ou, ainda, o conjunto dos dois processos.

O atendimento individual objetiva criar condições para ampliar o autoconhecimento buscando identificar como a mulher está construindo tal quadro, o que tem aprendido com ele, o que ele tem a contar sobre ela mesma e sobre a sua forma de funcionar na relação e com o meio. É na terapia, portanto, que se revêem falsos conceitos e se fornece orientação, possibilitando novas perspectivas. A mulher provavelmente poderá entender melhor as suas limitações, conhecendo uma nova expectativa ao aprender a se relacionar no meio em que vive de um modo mais satisfatório e ajustado.

A terapia de casal, objetiva facilitar a comunicação do mesmo e busca-se aprender sobre o funcionamento da relação. Como esse casal está se distanciando e para que. Em muitos casos, a relação está tão pobre, que a relação sexual passa a ser uma obrigação e dessa forma ela não vai ser capaz de gerar prazer.

A sexualidade e a forma que a mulher se relaciona com ela é produto de eventos que, aparentemente, nada têm a ver com sexo. A sexualidade humana vai além do ato sexual. Ela engloba outras atividades como fantasias, masturbação e pensamentos eróticos. Assim, a superação de um quadro como esse leva ao aprendizado e ao autoconhecimento, provocando transformações além da sexualidade.

O tratamento de qualquer disfunção sexual deve ser acompanhado por um profissional que possua conhecimentos dos mecanismos da resposta sexual, assim como os seus estágios.


Publicidade/Advertisement

RECOMENDADO PARA VOCÊ

Disfunção do Orgasmo Feminino  A expressão "falta de orgasmo feminino" é uma mescla de frustração, baixa auto-estima e conformidade.

Disfunções do Desejo Sexual Feminino  "Sinto-me cobrada na cama. Finjo prazer ou me queixo de dor de cabeça."

Dispareunia (Dor na Relação Sexual)  A dor que ocorre durante a relação sexual tem, na maioria das vezes, causas orgânicas. Os fatores psicológicos também podem estar envolvidos.

Menopausa e Climatério  A menopausa é a última menstruação da mulher. O climatério é a fase da vida em que ocorre a transição do período reprodutivo ou fértil para o não reprodutivo, devido à diminuição dos hormônios sexuais produzidos pelos ovários.

Depressão Pós-Parto   A depressão pós-parto, também conhecida como postpartum blues, pode se manifestar com intensidade variável, tornando-se um fator que dificulta o estabelecimento de um vínculo afetivo seguro entre mãe e filho, podendo interferir nas futuras relações interpessoais estabelecidas pela criança.

TPM - Tensão Pré-Menstrual  É um conjunto de sintomas físicos e comportamentais que ocorrem na segunda metade do ciclo menstrual podendo ser tão severos que interfiram significativamente na vida da mulher.

Orgasmos Múltiplos  Picos de prazer que ocorrem em seqüência, um imediatamente após o outro sem interrupção alguma.

Rotina e Sexo  A relação sexual vai perdendo a qualidade do início, falta surpresa, interesse mútuo, carinho, tesão, admiração e criatividade.

Segredos Para Uma Vida Sexual Feliz - Dicas Para as Mulheres  Não espere só pelo orgasmo. Ele depende de desejos, entregas, sem egoísmo ou obrigação. O orgasmo é conseqüência de um sexo saudável.

Mudanças Naturais do Sexo na Idade Madura  Várias transformações vão sendo sofridas pelo corpo, acompanhadas de um amadurecimento emocional, de acordo com as potencialidades individuais de cada um.


Autor

Título: Inibição do Desejo Sexual

Link : | Data de Acesso : 28/09/2016 - Código do Conteúdo : Artigo 730 | Palavras-Chave : Inibição do Desejo Sexual - Sexologia - sexualidade , resultado emocional , desejo , excitação , orgasmo , masturbação , fantasias eróticas , falta de intimidade , imaturidade .





Aviso Legal

Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na internet, sem autorização mesmo que citada a fonte - (Inciso I do Artigo 29 - Lei 9.610/98). Permitido o uso para trabalhos escolares, sem autorização prévia, desde que não sejam republicados na internet. Os anúncios publicitários são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos anunciantes, não constituindo qualquer forma de indicação ou de interferência no conteúdo editorial. Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas através do site ABC DA SAUDE, o qual tem por objetivo a informação, divulgação e educação acerca de temas médicos, e cujos artigos expressam tão somente o ponto de vista dos seus respectivos autores. Tais informações não deverão, de forma alguma, ser utilizadas como substituto para o diagnóstico médico ou tratamento de qualquer doença sem antes consultar um médico.
Política Editorial : https://www.abcdasaude.com.br/sobre
© Copyright 2001-2016 - ABC da Saúde Informações Médicas Ltda. - Proibida a reprodução sem autorização - Todos os direitos reservados.




Notícias


Dieta do Medirrâneo / Dieta Mediterrânea
Publicidade/Advertisement

FUNDACRED - Crédito Educativo


Destaques