A SEXUALIDADE DOS CEGOS

Falar da sexualidade já é algo que traz preconceitos e inseguranças. Se a desinformação é um obstáculo social, comprometendo o desenvolvimento sexual de quem enxerga, tratar da sexualidade do deficiente visual é ainda mais nebuloso. A falta de conforto em se falar sobre tal tema o transforma em verdadeiro tabu, pois o desconhecimento cria percepções errôneas, privando os cegos de uma vida sexual plena e prazerosa. Por quê? Será que eles não precisam de formação referente à sexualidade?

Um bom exemplo disso é que nesse mundo onde um dos componentes mais fortes do marketing é o estímulo visual, os cegos ficaram de fora nessa cultura carregada de imagens. É sabido que uma das principais características em vivenciar a sexualidade se constrói baseada na visão. O olhar aproxima, atrai ou afasta o consumidor. Apesar disso, enxergar não é fundamental para o desenvolvimento da sexualidade. Não é a cegueira que impede a pessoa de ver.

Não podemos deixar de pensar que esse é um assunto, inclusive, de difícil acervo bibliográfico, ainda que o Brasil some quase 17 milhões de pessoas que possuem algum grau de deficiência visual. Estamos falando de mais do que a metade dos portadores de deficiência brasileiros.

Pela falta de aproximação dos dois mundos - dos que enxergam e dos que não enxergam - cria-se um mundo de preconceito. Há uma ignorância em massa que aumenta o desconhecimento, descartando-se a possibilidade do exercício saudável da sexualidade. É preciso inclusão para que haja mudança de atitude. Para tanto, se faz necessário desconstruir a idéia vigente, dando lugar, não só à inclusão social, como também à qualidade de vida, conseguida através da conscientização da sociedade. Afinal, é ignorância elaborar preconceitos sem tentar conhecer a realidade. Convém esclarecer e mostrar que falta de visão não é falta de sexualidade.

As questões da sexualidade são pertencentes a todos, deficientes ou não. Infelizmente, nem todos percebem que os cegos não são seres assexuados. Antes de serem cegos, são homens e mulheres.

Sabe-se que o olhar funciona como uma linguagem de atração. É um estado inicial que, quando ultrapassado, se conecta aos outros sentidos: olfato, audição, tato e até paladar. A imagem é construída pelo conjunto de todos eles. Ultrapassado o momento inicial da atração, os outros sentidos são somados para compor o momento. Ou seja, ainda que a visão seja um poderoso estímulo na sexualidade, os cegos aprendem que nem todas as visões são impressas pela retina.

Por conta da ausência de um dos sentidos, tais pessoas percebem de forma mais aflorada aquilo que tocam, cheiram ou ouvem. Há um pouco do olhar em cada um desses sentidos que faz com que a sexualidade possa ser percebida por todos eles. Não é preciso ver com os olhos para se gostar de alguém. Outros fatores são importantes na atração: a simpatia, a inteligência, o papo. Há outros meios de avaliação que não a beleza física. A visão traz análises superficiais: a aparência, todos sabem, ilude.

Devido a uma sensibilidade aguçada, o sexo encontra-se vinculado ao amor e ao carinho. Mais importante do que o ato em si são as carícias e a estimulação de todos os sentidos. A sexualidade é ampliada para a inclusão da afetividade. Os cegos sabem que a afinidade não depende só dos olhos.




Publicidade/Advertisement

RECOMENDADO PARA VOCÊ

Atração Sexual  Várias teorias surgiram tentando definir que características seriam mais importantes para chamar atenção do outro sexo.

Conversando com o(a) Parceiro(a)  Temos o hábito de não conversar sobre sexo. A não ser as ‘conversas de bar’ sobre sexo dos outros, sobre quem pode mais. Não se conversa com o parceiro sobre o que se sente, o que se gostam e seus limites.

Segredos Para Uma Vida Sexual Feliz - Dicas Para as Mulheres  Não espere só pelo orgasmo. Ele depende de desejos, entregas, sem egoísmo ou obrigação. O orgasmo é conseqüência de um sexo saudável.

Segredos Para Uma Vida Sexual Feliz - Dicas Para os Homens  Respeite o seu corpo. As mulheres esperam muito mais por carinho, atenção e cuidado do que um desempenho sexual incansável.

Sexualidade na Gravidez  As mulheres ficam mais carentes e precisam como nunca da aliança com o parceiro, da sua proximidade, carinho, proteção e do seu afeto

Mitos, Sexualidade, Adolescencia e Sociedade  Um método anticoncepcional cuja utilização tem crescido entre as meninas é a pílula. Mas vale lembrar que aquela que serve para uma amiga não serve para todas as outras. Cada uma tem um organismo que reage de forma diferente.

O Estudo Da Sexualidade Humana  A curiosidade sobre a sexualidade e os sentimentos que ela desperta sempre esteve presente ao longo da história da humanidade.

Sexualidade Normal e Transtornos Sexuais  O comportamento sexual humano é diversificado e determinado por uma combinação de vários fatores tais como os relacionamentos do indivíduo com os outros, pelas próprias circunstâncias de vida e pela cultura na qual ele vive.

Sexualidade e Peso  A forma corporal ainda é vista como um passaporte para o exercício da sexualidade. Só estão aptos aqueles que têm no corpo a expressão da saúde, ou seja, os que são magros.

Sexo na Terceira Idade  A vivência da sexualidade na 3ª idade nada mais é do que a continuação de um processo que teve início na infância.


Autor

Título: Sexualidade dos Cegos

Link : | Data de Acesso : 10/12/2016 - Código do Conteúdo : Artigo 755 | Palavras-Chave : Sexualidade dos Cegos - Sexologia -





Aviso Legal

Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na internet, sem autorização mesmo que citada a fonte - (Inciso I do Artigo 29 - Lei 9.610/98). Permitido o uso para trabalhos escolares, sem autorização prévia, desde que não sejam republicados na internet. Os anúncios publicitários são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos anunciantes, não constituindo qualquer forma de indicação ou de interferência no conteúdo editorial. Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas através do site ABC DA SAUDE, o qual tem por objetivo a informação, divulgação e educação acerca de temas médicos, e cujos artigos expressam tão somente o ponto de vista dos seus respectivos autores. Tais informações não deverão, de forma alguma, ser utilizadas como substituto para o diagnóstico médico ou tratamento de qualquer doença sem antes consultar um médico.
Política Editorial :https://www.abcdasaude.com.br/sobre
© Copyright 2001-2016 - ABC da Saúde Informações Médicas Ltda. - Proibida a reprodução sem autorização - Todos os direitos reservados.