COLANGITE AGUDA

O que é?

É a inflamação aguda dos canais que conduzem a bile. Isso inclui desde os mais finos, dentro do fígado ao mais calibroso, o colédoco, que recebe toda a bile produzida no fígado e aquela já acumulada na vesícula. Em sua porção final, o colédoco encontra-se com o canal que traz as secreções digestivas produzidas pelo pâncreas, desembocando no duodeno (primeira porção intestinal), através de uma pequena estrutura conhecida como Papila de Vater.

Quando a inflamação começa nesta região e sobe em direção ao fígado, costuma ser acompanhada de infecção por germes que habitam normalmente o duodeno.

Como se desenvolve?

O fator que mais vezes está relacionado à colangite é a interrupção parcial do fluxo de bile para o duodeno ao nível da papila ou acima dela. Essa obstrução permite que bactérias do intestino entrem e subam pelos canais biliares, causando infecção e conseqüente inflamação, ou seja, colangite.

Várias são as causas de obstrução.
 

Cálculos biliares (pedras) que, geralmente produzidos e acumulados na vesícula biliar, podem descer ao colédoco, causando seu entupimento total ou parcial. Esta é a causa mais freqüente.
Cálculos que ficaram na via biliar após uma cirurgia para retirada da vesícula também podem ser causa de obstrução e colangite. É muito raro, mas os cálculos podem se formar nos próprios canais biliares. Deste tipo existe um número importante em nosso ambiente, cujos pacientes são os portadores de um tipo de anemia chamada de Falciforme ou Drepanocitose, prevalente na raça negra.
Outras causas podem ser: tumores, destacando-se os da Papila de Vater; estreitamentos congênitos (de nascença); estreitamentos cicatriciais espontâneos ou pós-cirúrgicos e invasão por parasitas intestinais (em nosso meio, áscaris, conhecido por lombriga).

O que se sente?

Os sintomas típicos são:
 

febre e calafrios,
dor abdominal mais localizada na área superior direita da barriga (logo abaixo das costelas),
icterícia (coloração amarelada da pele e da área branca do olho).
Os pacientes também costumam se sentir enfraquecidos, nauseados e sem fome.

Na maioria das vezes, colangite associada a cálculos ocorre em alguém que já teve uma ou mais crises de dor abdominal causada por "pedra na vesícula".

Essa crise anterior, geralmente acontece quando um cálculo tenta passar da vesícula para o intestino.

A colangite aguda ocorre quando a passagem não se completa porque o cálculo tranca na desembocadura para o duodeno e atrapalha o fluxo da bile.

No câncer de papila, a colangite pode ser o primeiro sintoma do tumor ou uma complicação em pacientes com doença mais avançada.

Como o médico faz o diagnóstico?

Juntando os sintomas do paciente com alguns dados da história prévia, o médico é capaz de diagnosticar a colangite e, na maioria das vezes, saber a causa.
 

Em pacientes com história passada de crises de dor em cólica na região do fígado, que já sabem ter cálculos na vesícula, o surgimento dos sintomas de colangite, geralmente, são atribuíveis à obstrução por alguma destas pedras.
Pacientes com emagrecimento importante, história mais arrastada de dor não muito bem localizada e com icterícia intensa, particularmente, por icterícia que decresce com ocorrência de melena (fezes pretas por sangramento digestivo) e anemia, fazem pensar em obstrução por tumor de papila.
Nos indivíduos que já realizaram cirurgia para retirada da vesícula ou outro tipo de cirurgia envolvendo o fígado, a possibilidade de que a obstrução seja conseqüência daquela cirurgia deve ser lembrada.

O médico poderá solicitar exames para confirmar o diagnóstico de colangite e sua causa.
 

Exames de sangue geralmente são usados para acompanhar a evolução da infecção e o estado geral do paciente.
A ecografia (ultrassonografia), pela sua praticidade e baixo custo, é, geralmente, o exame escolhido para iniciar a avaliação. Através dela pode-se detectar cálculos na vesícula ou nas vias biliares, dilatação dos canais biliares (sugerindo obstrução) e, às vezes, a presença de tumor.
Exames de imagem mais complexos poderão ser necessários para definir precisamente o diagnóstico da causa da colangite. Conforme a disponibilidade e a experiência pessoal do médico, pode-se escolher a tomografia, a ressonância magnética, a colangiorressonância ou ainda a colangiografia endoscópica.
A colangiografia endoscópica é realizada através da passagem de um catéter por dentro do endoscópio introduzido pela boca até o duodeno. A ponta do catéter é introduzida na Papila de Vater, permitindo a injeção de contraste dentro da via biliar e dos ductos pancreáticos. Desta forma obtém-se um Rx que mostra precisamente cálculos, tumores e outras causas de obstrução.

Como se trata?

A colangite é uma infecção grave, que tende a progredir para infecção generalizada, podendo levar ao óbito se não tratada adequadamente.

O tratamento baseia-se em antibióticos geralmente por via intravenosa, associados à desobstrução da via biliar.

A desobstrução dos canais biliares pode ser feita por colangiografia endoscópica ou cirurgia.

Por endoscopia é possível a extração de cálculos e parasitas, a abertura da Papila de Vater (papilotomia) e, se necessário, a colocação de prótese (pequeno tubinho plástico) dentro do colédoco para mantê-lo transitável (pérvio) e permitir o livre fluxo de bile para o intestino.

Se a colangiografia endoscópica não for disponível ou se não tiver sido possível a desobstrução por esse método, pode ser necessária a realização de cirurgia.

Tenta-se na cirurgia o mesmo que na endoscopia, ou seja, impedir que a bile fique parada na via biliar e, conseqüentemente, fique infectada. Para tanto, coloca-se um dreno que temporariamente conduza a bile para uma bolsinha externa.

Se possível, tenta-se também tratar a causa básica, retirando-se a vesícula com cálculos, corrigindo obstruções congênitas ou pós-operatórias, ou ainda, fazendo a ressecção (retirada) de tumores.

Como se previne?

Pessoas com cálculos na vesícula, principalmente se já tiveram sintomas, devem discutir com o médico a realização de cirurgia para retirada da vesícula.

De forma geral, indivíduos sem contra-indicações significativas devem ser operados para evitar futuras complicações.

Não há forma de prevenção para as outras causas de colangite.

Perguntas que você pode fazer ao seu médico

Por que a pele fica amarela?

Esse problema tem cura?

O que é colangiografia?

Posso ter pedras (cálculos) se já operei a vesícula?

Vou ter que ser operado?

Tenho ou posso ter algum tipo de câncer?





Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement


LEIA TAMBÉM

CÓLICA BILIAR  Os cálculos estão presentes ao redor de 10 a 20% dos adultos entre 35 e 65 anos, predominando entre as mulheres que estiveram grávidas, as que têm excesso de peso e as usuárias de hormônios estrógenos e de pílulas anticoncepcionais.

FEBRE  É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitas como indicadores de febre as temperaturas: retal acima de 38º C e Axilar ou oral acima de 37,5º C.

CÁLCULOS BILIARES  Cálculos biliares ou cálculos das vias biliares, tecnicamente são chamados de litíase biliar. Litíase vem do grego "lithos"- pedra. De fato, cálculos são pedras mais ou menos duras

COLECISTECTOMIA - Cirurgia da vesícula biliar  Colecistectomia é das operações mais realizadas e a mais freqüente das cirurgias abdominais. É segura, com mortalidade e índice de complicações muito baixas.

CINTILOGRAFIA DA TIREÓIDE  É um exame utilizado na investigação de problemas da tireóide, especialmente indicado para pacientes portadores de nódulos de tireóide.

HEPATITES  É qualquer inflamação do fígado. Pode ser causada por infecções (vírus, bactérias), álcool, medicamentos, drogas, doenças hereditárias (depósitos anormais de ferro, cobre) e doenças autoimunes.

CÂNCER DE PÂNCREAS E DE VIAS BILIARES  O sintoma mais comum é uma dor abdominal vaga, de pequena ou média intensidade, localizada na região da "boca do estômago"

HEPATITE AUTO-IMUNE  É uma inflamação crônica do fígado sem causa conhecida.

COLITE  A principal manifestação é diarréia com sangue. Conforme a gravidade da doença, o número de evacuações varia de menos de 5 episódios diários até 10 ou 20 e o volume de sangue pode ser variável, causando ou não sintomas pela conseqüente anemia.

PANCREATITES  Pancreatite é a inflamação do pâncreas. O pâncreas é um órgão situado na parte superior do abdômen, aproximadamente atrás do estômago.

Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement






Autor

Título: COLANGITE AGUDA

Link :
Data de Publicação :01/11/2001 - Revisão : 30/10/2008 (Equipe ABC da Saúde) - Acesso : 23/04/2014
Palavras-Chave : COLANGITE AGUDA - Gastroenterologia - Febre , Icterícia , Obstrução Biliar , Cálculo Biliar , Colangite .





Aviso Legal

Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na internet, sem autorização mesmo que citada a fonte - (Inciso I do Artigo 29 - Lei 9.610/98). Permitido o uso para trabalhos escolares, sem autorização prévia, desde que não sejam republicados na internet. Os anúncios publicitários são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos anunciantes, não constituindo qualquer forma de indicação ou de interferência no conteúdo editorial. Declinamos toda e qualquer responsabilidade legal advinda da utilização das informações acessadas através do site ABC DA SAUDE, o qual tem por objetivo a informação, divulgação e educação acerca de temas médicos, e cujos artigos expressam tão somente o ponto de vista dos seus respectivos autores. Tais informações não deverão, de forma alguma, ser utilizadas como substituto para o diagnóstico médico ou tratamento de qualquer doença sem antes consultar um médico.
Política Editorial : http://www.abcdasaude.com.br/sobre
© Copyright 2001-2014 - ABC da Saúde Informações Médicas Ltda. - Proibida a reprodução sem autorização - Todos os direitos reservados.


Publicidade/Advertisement

Publicidade/Advertisement


Publicidade/Advertisement


Notícias




Destaques